Opinião

Cuba completa 63 anos de ditadura em tempo integral, o sonho da oposição no Brasil

J. R. GUZZO

5 de julho de 2022

Os fatos descritos a seguir foram mantidos como uma espécie de segredo de Estado pela mídia brasileira, ou por esse “consórcio de órgãos de imprensa” que hoje se apresenta em seu nome – e já é para dar graças a Deus, porque qualquer notícia que fosse publicada a respeito correria o risco de ser denunciada como “fake news” pelas “agências de checagem”, ou de “verificação de fatos”. Trata-se de coisa de compreensão imediata.

Um músico de “rap” e um artista cubano foram condenados a penas de prisão em Cuba por protestarem contra o governo. O “rapper” fez um vídeo com uma canção de crítica ao regime. O artista colocou uma bandeira cubana nos ombros numa manifestação de rua. O primeiro pegou nove anos de cadeia – isso mesmo, nove anos por cantar uma música. O segundo pegou cinco, por sair com a bandeira do seu próprio país num ato pacífico de protesto. É o tipo de notícia que deixa claríssimo, mais uma vez, como funcionam as liberdades individuais e públicas em Cuba – o país modelo da esquerda nacional e de seu candidato a presidente da República. É notícia que não sai na imprensa.

As canções de Maykel Osorbo, que lidera uma banda de “rappers” negros, não chegam nem perto da agressividade dos “raps” contra a lei e a polícia, e a favor do crime e dos criminosos, tão festejados no Brasil pela esquerda e pelas classes culturais. Mais que isso: os dois cubanos presos não organizaram, nem fizeram parte, de nenhum grupo armado. Não quebraram uma única vitrine em seus protestos de rua nem cometeram o mínimo ato de violência. Não fizeram vídeo jogando futebol com a cabeça de Fidel, ou de Che Guevara. Não escreveram do jornal: “Quero que o presidente morra”. Não chamaram ninguém de “genocida”. Tudo o que o músico fez foi uma canção pedindo liberdade, igualdade e comida na mesa. Como o sujeito pode ser enfiado nove anos numa cadeia por fazer uma coisa dessas?

Osorbo foi condenado por “usar imagens falsas, manipuladas digitalmente”, no seu vídeo – como se fosse um crime utilizar fantasias e recursos digitais num vídeo musical. Segundo o tribunal que o condenou, ele teve o propósito de “ultrajar a honra e a dignidade das autoridades máximas do país”. Dois dias antes do julgamento sua advogada foi afastada do caso pelo governo; puseram um outro, que não levou nenhuma testemunha de defesa. Tudo a ver com a linguagem, os métodos e as penas do inquérito perpétuo e ilegal que vem sendo tocado num certo país sul-americano?
Cuba está completando 63 anos de ditadura em tempo integral – mais um pouco, bate o recorde mundial da tirania comunista da Rússia, entre 1917 e 1989. Sonham fazer isso, aqui.

 

J. R. GUZZO é jornalista.