Destaques Saúde

Lideranças fazem reivindicações em encontro do Recomeça Minas

16 de abril de 2021

Os encontros foram em formato on-line com representantes de diversas cidades-polo. / Foto: Reprodução

PASSOS – Facilidade na concessão de créditos, em especial para os pequenos e microempresários, desoneração da carga tributária e suspensão e parcelamento dos pagamentos de impostos foram algumas das medidas consideradas urgentes por empresários, representantes da entidades da sociedade civil e políticos para a retomada da economia de Minas Gerais, atingida pela pandemia de Covid-19. Eles participaram, na tarde de ontem, do segundo dia dos encontros do Recomeça Minas, plano da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) para incentivar a recuperação econômica do Estado.

Esses encontros, em formato on-line com representantes de diversas cidades-polo do Estado. têm como objetivo recolher sugestões da sociedade para aperfeiçoar o Projeto de Lei (PL) 2.442/21, que contém o plano. Do encontro de Passos, além do presidente da Assembleia, Agostinho Patrus, participaram do encontro os deputados Antonio Carlos Arantes (1º- vice-presidente da ALMG), Cássio Soares, Ulysses Gomes e Sávio Souza Cruz; o prefeito de Passos, Diego Oliveira; o presidente do Sebrae, Carlos Melles; o superintendente da Santa Casa de Passos, Daniel Porto Soares; o provedor da Santa Casa de São Sebastão do Paraíso, Fernando Alvarenga; do presidente da Associação Comercial de Piumhi, José Geraldo Batista; e dos empresários Hugo César Fernandes (setor de alimento, de Passos); Josiane Santiago (comerciante de Santana do Paraíso); Lúcia Ohara (diretora do Colégio Galileu de São Sebastião do Paraíso); Luiz Carlos Pádua (vice-presidente do Circuito Turístico Nascentes); Marcílio Leite (empresário do setor de eventos de Passos); e Tânia Mara Rezende (presidente do Conselho Nacional Mulher Empresária da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil).

O encontro virtual fez parte das 15 reuniões regionais para debater o projeto Recomeça Minas, que tem por objetivo apoiar as empresas mineiras, ao manter e criar empregos que podem gerar recursos para o Estado. Ao final do encontro, e entrevista à imprensa, Patrus explicou que, como forma de contribuição para a recuperação econômica, a Assembleia criou dois pilares no projeto Recomeça Minas. Na primeira oportunidade, o plano pretende regularizar as dívidas de empresários que possuem dívidas com o Estado, para que, posteriormente, o recurso arrecadado seja utilizado para apoiar as empresas que mais têm sofrido com a falta de recursos.

Aqueles empresários que têm dívidas e que querem fazer a opção de regularizá-las, terão incentivos na redução de multa, juros e também parcelamento. Nós sabemos que algumas áreas, a exemplo, o comércio via internet, cresceu muito. Esse segmento não precisa de um apoio direto do Estado, então, caso paguem suas dívidas, o valor será convertido, podendo reduzir e adiar a carga tributária dos segmentos que permanecem fechados, bem como diminuir os valores nas contas de luz e combustíveis dessas mesmas empresas”, explicou.

Ainda conforme o presidente da ALMG, o setor moveleiro e de confecções, ambos muito expressivos em Passos, e que têm sofrido pela quebra de sua cadeia de funcionamento, podem ser beneficiados com a alternativa.

Enquanto a indústria pode manter a atividade, o comércio tem sua venda reduzida ou até mesmo interrompida, fazendo com que a produção da própria indústria não consiga ser escoada. Daí vem a questão da solidariedade: aqueles que se mantêm ativos, poderão regularizar suas dívidas tributárias, e o valor poderá ser direcionado para que o comércio volte com força e mais apoio”, considerou.

Quanto à situação do turismo, o projeto prevê redução de tributos voltados à energia elétrica.

Poderemos reduzir o custo da energia de bares, restaurantes, hotéis, eventos, etc. As mais diversas atividades do turismo devem ser contempladas, sejam elas de lazer, alimentação ou hospedagem. Além disso, estamos ouvindo outras sugestões, como postergar o pagamento de alguns impostos para que o setor não fique inadimplente com o Estado”, completou.


Grupo 100+

O grupo 100+, formado por prefeitos de cidades com mais de 100 mil habitantes, deve se reunir nesta sexta-feira, 16, com Agostinho Patrus para discutir as dívidas acumuladas pelo Estado e que devem ser quitadas aos municípios. No caso de Passos, o Estado deve cerca de R$55 milhões e, sobre o tema, o presidente ALMG destacou a relevância da quitação do valor.

É fundamental que tal dívida seja quitada. Discutiremos sobre o tema, para que possamos cobrá-lo ao Estado. As prefeituras, de modo geral, estão tendo inúmeras despesas e é importante que o governo cumpra as suas obrigações junto a cada localidade”, pontuou Patrus.