Destaques Polícia

Furto de fios aumenta 140% nas zonas rurais de Passos e São João Batista do Glória

Por Gabriella Alux / Redação

2 de dezembro de 2021

As ocorrências dos furtos foram de 10 para 24 do ano de 2020 até 2021./ Foto: Divulgação.

PASSOS – O número de registros de furto de fios nas zonas rurais de Passos e de São João Batista do Glória aumentou 140% neste ano. Segundo levantamento feito pelo delegado Matheus Ponsancini, da Delegacia Rural de Passos, no ano passado foram dez ocorrências e, em 2021, o número subiu para 24.

“Há uma tendência do aumento desses furtos em todo o país, apesar de que já havia esses furtos de forma concomitante nas zonas rural e urbana. Não enxergo uma mudança na onda do crime da zona urbana para a rural, mas a rural é extensa e, na maioria das vezes, com locais desvigiados. Alguns dos motivos do aumento nesse tipo de crime é devido ao lucro com a venda do cobre para ferros velhos, ainda mais com o preço alto do cobre, que também subiu. Além disso, é possível constatar que pessoas usuárias de drogas também realizam esse furto para conseguir dinheiro mais rápido para comprar drogas”, declarou Ponsancini.

O delegado orienta que, entre as ações preventivas, estão o monitoramento eletrônico para tentar minimizar os furtos. Segundo ele, devido ao fato desses crimes serem praticados em período noturno, na maioria das vezes, também seria bom que os vizinhos de locais mais afastados se juntassem para montar redes de proteção e grupos para observar movimentação de veículos suspeitos. Ele também afirma que a prevenção é difícil, ainda mais que o delito não tem pena muito grande, tanto o furto como a receptação, apesar do grande prejuízo que gera aos proprietários.

De acordo com o tenente da Polícia Militar Carlos Giovani Gomes, recentemente, foram registrados dois furtos de transformadores na zona rural, um no dia 18 de outubro e, outro, no dia 13 de novembro, além dos registros da Polícia Civil. Segundo ele, é necessário, sempre, ficar em alerta.

“Uma medida importante é denunciar os receptadores, pois são eles que motivam os furtos. Se quem furta não tiver para quem passar o objeto furtado, ele não terá a motivação. Também estamos realizando várias prisões”, afirma o tenente.

Para o presidente do Sindicato Rural de Passos (Sinrural), Darlan Esper Kallas, o número de ocorrências na zona rural pode ser maior, já que há vítimas que não fazem registro dos furtos na polícia.

“O que temos feito é alertar os companheiros, pedir para realizarem, mas, principalmente, zelar antes de acontecer o crime. A polícia, tanto Civil quanto Militar, tem trabalhado bastante neste assunto, apesar de ainda continuar acontecendo. Precisamos de ações mais imediatas. Acredito que só irá melhorar através da união das forças e de politicas públicas, principalmente a partir de punição para os receptadores”, declarou Kallas.

Darlan conta que o serviço de patrulhamento rural tem feito também um trabalho grandioso e tido uma parceria muito boa. Segundo ele, pela zona rural ter três mil quilômetros de estradas em Passos, é possível ver a dificuldade das duas viaturas de cobrirem 100% do local ao mesmo tempo, mas é sabido dos frutos do trabalho executado por eles, porque, a medida que eles passam e transitam numa propriedade e em uma estrada, provocam e causam respeito e a seriedade é maior.

Energia solar

O diretor de engenharia Heitor Corrêa Maquiaveli relata que, apesar de não ter um número exato, clientes já reclamaram a respeito dos furtos. Segundo ele, apesar de não serem muitas reclamações, neste meio, ouve-se muitas ocorrências que acontecem.

“Esses casos influenciam diretamente no mercado porque o nosso sistema depende da rede da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e, quando os ladrões furtam, o sistema também para de funcionar e dá prejuízo para o cliente, além de deixá-lo com receio para persistir com uma energia solar. O mundo ideal é que não acontecesse esse tipo de furto, pois é um valor agregado bem considerável, principalmente pelo preço do cobre hoje em dia, que está muito caro”, declarou Maquiaveli.

O engenheiro e proprietário de uma loja de energia solar Gustavo Henrique de Faria Avelar disse acreditar que os furtos de fios de cobre na zona rural também têm capacidade de afetar o mercado, ainda mais se ocorrerem em locais onde tem geração de energia solar.

Segundo ele, por atender mais a zona urbana, não há muitas informações ou queixas na zona rural. Gustavo afirma que estão sendo tomadas medidas de prevenção, seguindo os métodos tradicionais como não deixar fios à vista e orientar os clientes a colocar câmeras de monitoramento.