Destaques Saúde

Sind-Ute defende vacinação ampla antes do retorno às escolas estaduais

10 de março de 2021

O sindicato é contra a volta e as unidades escolares têm poucos funcionários para atender protocolos de segurança como a desinfecção de banheiros a cada vez que forem usados. / Foto: Divulgação

PASSOS – A coordenadora regional da subsede do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-Ute) de Passos, Maria Antônia Mourão Barbosa Fonseca, afirma que, das quatro escolas da rede estadual que foram fiscalizadas em relação à adoção de medidas necessárias para o retorno às aulas presenciais no município, algumas estão bem adiantadas e outras aguardam verba para completar o protocolo exigido.


Você também pode gostar de: Ministério Público inicia procedimentos para correição em abril

Segundo ela, o sindicato é contra a volta e as unidades escolares têm poucos funcionários para atender protocolos de segurança como a desinfecção de banheiros a cada vez que forem usados. De acordo com o órgão, o governo estadual deu prazo até 15 de março para que as escolas se preparem.

O desafio é a carga de serviços extras e extenuantes dos gestores escolares bem comum nos inícios dos anos letivos e, agora, acentuada pela tarefa de organizar as unidades conforme o protocolo de proteção exigido pela covid-19”, disse.

Nós entendemos que não há a menor possibilidade de uma volta às aulas. Escola é um lugar que podemos chamar de linha de frente. O público é grande e não temos condições de acompanhar essas famílias. Às vezes, nem a família sabe que tem alguém contaminado na casa. Não temos trabalhadores suficientes para uma volta às aulas”, disse Maria Antônia.

De acordo com a coordenadora regional do Sind-Ute, o governo deveria imunizar os trabalhadores da Educação e a população em geral. Ela também aponta que a mudança de fase dos municípios no programa Minas Consciente pode alterar procedimentos como a distância mínima exigida entre os alunos nas salas. Segundo ela, em Passos há salas de aula que comportam 18 alunos com distância de 1,5 metro, exigida inicialmente no protocolo.

Só que, se a cor da onda mudar, já passa para dois metros, isso com marcação física, tudo direitinho. Temos escolas com características completamente diferentes na questão de espaço, na questão dos estudantes, da vida desses estudantes em todos os sentidos. O Sind-Ute só é a favor da volta às aulas presenciais com ampla vacinação da população em geral”, disse.