Destaques Saúde

Saúde amplia rastreamento de doenças no teste do pezinho

Por Ézio Santos/ Especial

22 de janeiro de 2022

OS EXAMES VÃO DETECTAR MAIS SEIS DIFERENTES DOENÇAS QUE DEVEM SER TRATADAS A PARTIR DOS PRIMEIROS MESES DE VIDA DA CRIANÇA./ Foto: Reprodução.

PASSOS – A Santa Casa de Misericórdia e a Secretaria Municipal de Saúde de Passos passarão a coletar o material necessário para o teste do pezinho, que amplia o rastreamento de seis para 12, o número de doenças incluídas no programa Estadual de Triagem Neonatal (PTN-MG).

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde, o diagnóstico através da triagem começa a valer dia 25 deste mês, próxima terça-feira, porém, até ontem, nenhuma instrução sobre mudanças havia sido repassada.

Em razão de acolher também, gestantes de vários municípios da região, a maior quantidade de material sorológico colhido por mês na Santa Casa é bem elevada.

“Quando a criança recebe alta nos dois primeiros dias do seu nascimento, ela tem de ser levada a uma unidade de saúde do município onde reside a mãe, porque a coleta ocorre entre o terceiro e quinto dia de vida. O sangue é enviado para um laboratório, em Belo Horizonte, responsável pelos exames”, explicou Priscila Severina de Almeida, enfermeira da UTI Neonatal do hospital.

Na rede pública de saúde em Passos, a coleta de material é realizada apenas na Sala de Vacinas, localizada na rua Lavras, fundos com a policlínica São Lucas.

“Nós executamos o serviço apenas quando o bebê não é prematuro, ou por outro motivo de saúde, permanece na UTI neonatal por muito tempo”, declarou a técnica de enfermagem, Maria do Carmo Anastácio Brito.

Em média, só na Sala de Vacinas, são coletadas 100 amostras por mês, incluindo as recebidas do Hospital Unimed, e enviadas diariamente ao Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico (Nupad), em Belo Horizonte, responsável pelo PTN, o único laboratório que diagnostica qualquer doença relacionada ao teste do pezinho no estado. Após o resultado dos exames, as mães são comunicadas e em caso de alteração, as crianças iniciam o tratamento dentro do prazo necessário para evitar sequelas graves no organismo e até mesmo a morte.

As doenças

Atualmente, o exame realizado pelo SUS-MG identificava se o recém-nascido era portador de hipotireoidismo congênito, fenilcetonúria, doença falciforme, fibrose cística, deficiência de biotinidase e hiperplasia adrenal congênita, obedecendo ao Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN).

A análise laboratorial fará a triagem a partir da semana que vem, para a toxoplasmose congênita e cinco distúrbios da betaoxidação dos ácidos graxos: deficiência de acil-CoA de cadeia média, deficiência de acil-CoA de cadeia muito longa, deficiência de 3-OH-acilCoA de cadeia longa, deficiência da proteína trifuncional e deficiência primária de carnitina. A previsão é identificar até 33 males em recém-nascidos nos próximos dois anos.