Destaques Saúde

Regiões de Passos, Cássia e Piumhi podem retornar para onda amarela

30 de abril de 2021

Foto: Divulgação

BELO HORIZONTE – As microrregiões de Passos, Cássia, Piumhi e São Sebastião do Paraíso podem retornar à onda amarela do Minas Consciente, programa do governo estadual para a retomada da economia. De acordo com informações do governo de Minas, nos últimos 14 dias, foi registrada queda de 38% na incidência da covid-19 no estado, sendo que, na última semana, a redução chegou a 13%.


O que você também vai ler neste artigo:

  • Fila de espera por leito de UTI cai de 211 para 179 dias
  • Municípios
  • Cirurgias eletivas

A melhora nos indicadores, segundo o governo, possibilitou que, após 45 dias nas ondas roxa e vermelha, fases mais restritivas do programa, quatro macrorregiões possam retornar para a onda amarela, o que permite medidas mais flexíveis para abertura do comércio e outras atividades. A decisão foi tomada nesta quinta-feira, 29, pelo Comitê Extraordinário Covid-19, grupo que se reúne semanalmente para avaliar o avanço da pandemia no estado.

As regiões Norte, Triângulo do Norte, Vale do Aço e Jequitinhonha poderão seguir as normas da onda amarela a partir de sábado, 1º de maio, após publicação no Diário Oficial. Também estão autorizadas a retomar a onda amarela as microrregiões de Curvelo, Patos de Minas, João Pinheiro, Carangola, Muriaé, Ubá, Cássia/Passos, Piumhi e São Sebastião do Paraíso. As localidades apresentaram quedas sustentadas na positividade e na incidência, além de redução na espera por leitos.

A macrorregião Nordeste também teve melhora nos indicadores e avançou para a onda vermelha do Minas Consciente. Assim, nenhuma região mineira se encontra na onda roxa, criada como medida emergencial em março para restabelecer a capacidade assistencial do sistema de Saúde.

Segundo informações da Prefeitura de Passos, até a tarde de ontem, ainda não havia definição sobre decreto para a volta do município à onda amarela. Em Paraíso, de acordo a administração, apesar da indicação para o retorno à onda amarela do Minas Consciente, a prefeitura vai continuar tomando as mesmas precauções e adotando as mesmas medidas para a contenção do vírus.


Fila de espera por leito de UTI cai de 211 para 179 dias

Foto: Divulgação

BELO HORIZONTE – De acordo com informações do governo estadual, o governador de Minas, Romeu Zema, ressalta que, embora ainda seja necessário manter os cuidados sanitários para evitar a propagação do vírus, o cenário é de melhora e reflete o esforço dos mineiros nas últimas semanas.

As medidas restritivas da onda roxa foram penosas para todos, mas o nosso esforço, agora, aparece na queda considerável na incidência e no número de internações. Isso se refletirá, nas próximas semanas, em queda no número de óbitos, que é o principal objetivo”, disse.

O secretário de Estado de Saúde, o médico Fábio Baccheretti, afirma que o número de novos casos positivos também caiu nas últimas semanas, assim como a pressão por leitos. Atualmente, o percentual de pessoas com sintomas gripais que testam positivo para covid-19 é de 39%. O número chegou a cerca de 50% no último mês. Já a fila de espera por um leito de UTI caiu de 211, no dia 22/4, para 179 nesta quinta-feira.

Essa queda demonstra que o vírus está circulando menos na sociedade. Tivemos queda consistente no número de novos casos. Os dados indicam que o nosso pico foi no dia 15 de abril e a onda roxa foi fundamental para que não tivéssemos uma alta muito pior do que a que vivenciamos”, disse.

O secretário também afirmou que a vacinação já foi responsável por uma queda considerável no número de óbitos, especialmente nas faixas etárias que receberam as duas doses.

A proporção de óbitos por faixa etária mostra a eficácia da vacinação. Desde março, quando a população acima de 90 anos recebeu imunidade total após a segunda dose, a proporção de mortes desse grupo está caindo. A nossa expectativa é de que a faixa entre 60 e 79 anos, que hoje equivale à maior taxa de óbitos, também tenha queda expressiva com a segunda dose”, explicou.

Baccheretti lembrou ainda que os jovens estão se expondo mais e, com a nova cepa mais contagiosa, a doença teve aumento de incidência nessa faixa etária. “É fundamental que os jovens redobrem os cuidados até que a vacinação atinja todos os grupos”, orientou. Até agora, o Estado enviou 6,1 milhões de doses de vacina contra a covid-19 aos municípios, na maior operação de vacinação da história de Minas Gerais.


Municípios

As cidades com menos de 30 mil habitantes também apresentaram queda na incidência da covid-19 por duas semanas seguidas. Nesta quinta, 75 municípios tiveram incidência abaixo de 50 casos para 100 mil habitantes e podem progredir automaticamente de onda, independentemente da situação da região em que se encontram.

Vale lembrar que nenhuma macro ou microrregião pode sair da onda roxa diretamente para a onda amarela, sendo necessário, obrigatoriamente, passar pelo menos uma semana seguindo as medidas da onda vermelha. Atualmente, 670 municípios estão aderidos ao Minas Consciente, o que representa quase 79% do estado, contemplando 12,5 milhões de mineiros.


Cirurgias eletivas

Durante a reunião do Comitê Executivo Covid-19, nesta quinta-feira, também ficou decidido que as cirurgias eletivas continuarão suspensas até o dia 30/6, seguindo os moldes da onda roxa, até que haja estoque de medicamentos e anestésicos necessários para a intubação. O grupo estuda a possibilidade de retorno gradual durante esse período, permitindo, por exemplo, aquelas cirurgias que não utilizam os medicamentos do kit intubação.

O secretário de Saúd também lembrou que Minas tem recebido insumos e que é possível que, antes desse período, o Estado consiga restabelecer um estoque seguro de medicamentos. “Nos próximos dias, vamos receber, por exemplo, cerca de 120 mil ampolas de sedativo, o que já nos ajuda a ter mais segurança”, afirmou.