Destaques Saúde

Região ultrapassa 18 mil casos e chega a 439 mortes por covid-19

22 de março de 2021

Foto: Divulgação

PASSOS- A região chegou a 18.454 casos de covid-19 nesta semana, segundo informações divulgadas em boletins epidemiológicos de prefeituras. Em comparação com o período anterior, foram 1.382 novos registros em sete dias.


O que você também vai ler neste artigo:

  • Saturação
  • Estado

Os óbitos passaram de 411 para 439. Os números compreendem a evolução da pandemia entre os dias 12 e 19 de março. São Sebastião do Paraíso lidera o número de mortes em decorrência da doença (106) teve seis óbitos na última semana.

As cidades que mais registraram novos casos foram Passos (172), Piumhi (159), Itaú de Minas (92), São Sebastião do Paraíso (92), Alpinópolis (69), Guapé (64), Ibiraci (53), Monte Santo de Minas (41), Capitólio (37), Itamogi (36), Carmo do Rio Claro (34), São Roque de Minas (28), Cássia (27), Bom Jesus da Penha (21), Capetinga (21).

Os outros municípios tiveram um aumento menos expressivo no quantitativo de casos, como Nova Resende (17), São João Batista do Glória (16), Doresópolis (13), São José da barra (12), Pratápolis (9), Jacuí (8), Pimenta (7), Vargem Bonita (7), Delfinópolis (5) e São Tomás de Aquino (4).

Capetinga, Ibiraci, Capitólio e Passos registraram três mortes, cada, e Alpinópolis, Itaú de Minas e Piumhi tiveram dois óbitos no período. Bom Jesus da Penha, São Tomás de Aquino, Itamogi, Monte Santo de Minas e Pratápolis registraram uma ocorrência cada.

Saturação

Na última sexta-feira, a Santa Casa de Passos atingiu 100% de ocupação nos 40 leitos de UTI Covid disponíveis. De acordo com boletim da instituição, 69 pessoas estavam internadas no hospital, sendo 29 na Enfermaria Covid-19, o que equivale a uma taxa de ocupação de 64%, até as 17h de sexta.

Segundo a Santa Casa, a maior parte dos pacientes (31) é procedente de Passos. Piumhi, São João Batista do Glória e Itaú aparecem como local de origem com seis pacientes cada, seguidos por Alpinópolis (quatro), Capitólio e Bom Jesus da Penha (três cada), Capetinga e Guapé (dois cada) e Ibiraci, Cássia, Carmo do Rio Claro, Pimenta, São Roque de Minas e Jacuí, com um paciente cada.


Estado

Os números divulgados pela Secretaria de Saúde de Estado de Minas Gerais (SES-MG), que apresentam diferença em relação aos dados das prefeituras devido ao processo de repasse das informações, aponta um aumento de 5,% nos casos confirmados e de 5,5% nos óbitos. Segundo a SES, até sexta-feira, 36.886 doses de vacinas anticovid foram aplicadas na região.


AMM pede recursos e insumos hospitalares para prefeituras de MG

Foto: Divulgação

BELO HORIZONTE – A Associação Mineira de Municípios (AMM) encaminhou, nesta sexta-feira, ofício ao presidente Jair Bolsonaro e ao Ministério da Saúde pedindo o envio de insumos hospitalares e medicamentos para as prefeituras no estado. Segundo nota divulgada pela AMM na noite da última sexta-feira, o aumento “assustador” no número de infectados pelo novo coronavírus e na demanda hospital indica um cenário ainda mais trágico por conta de iminente falta de oxigênio e remédios para sedação dos pacientes.

São inúmeros os registros, em todas as regiões do Brasil, da escassez e falta desses insumos essenciais no combate ao coronavírus e Minas Gerais não foge à regra”, informa a associação.

De acordo a AMM, também foram enviados ofícios, na última quinta-feira, ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, ao líder da bancada mineira na Câmara Federal, Diego Andrade, e ao ex-presidente da Confederação Nacional de Municípios, Glademir Aroldi. Nos documentos, a associação pede que eles intercedam junto ao Ministério da Saúde pela liberação de recursos de emendas parlamentares para fundos municipais de saúde.

É inaceitável assistirmos brasileiros e brasileiras em total desespero e morrendo por afogamento no seco ou que, conscientes, fiquem em deplorável situação de intubação em, muitas vezes, interminável permanência hospitalar”. Sendo assim, prefeitas e prefeitos mineiros reivindicam emergencial solução pelo governo federal para que Minas Gerais não viva os horrores presenciados recentemente em Manaus (AM)”, diz a nota.