Destaques Saúde

Passos retoma medidas para conter alta em casos de covid

8 de janeiro de 2021

Foto: Arquivo FM

PASSOS – Através de decreto assinado pelo prefeito Diego Oliveira ontem, a Prefeitura de Passos determina que o horário de funcionamento para bares, restaurantes, lanchonetes e conveniências até as 23 horas. Esses locais devem atender com a capacidade de pessoas reduzida a 50% do permitido, devendo controlar a frequência dos clientes em locais de uso comum, tais como banheiros, mantendo a distância interpessoal de 2 metros deve ser mantida entre os usuários.


Você também pode gostar de:

Veículos são furtados em barracão

O estabelecimento também deve disponibilizar um local para a higienização das mãos com água e sabão líquido e toalhas para descartar em lixeiras com pedal. Nesta quinta-feira, o município atingiu 2.184 casos, 81 a mais que o registrado na última quarta-feira. A cidade tem 34 óbitos.

Além disso, os clientes devem estar exclusivamente sentados, em mesas de 4 ou 6 lugares, mantendo o distanciamento mínimo de 2 metros, não sendo permitido o acréscimo de lugares e união de mesas. É obrigatório o uso de máscaras dentro do recinto, sendo somente dispensada sua utilização apenas durante o consumo de alimentos e bebidas.

Fica proibido a permanência dos clientes em pé, no estabelecimento e em suas proximidades, o funcionamento de espaços destinados à recreação infantil e a colocação de mesas e cadeiras nas praças, ruas e avenidas. O descumprimento destas medidas acarretará em multas e cassação do alvará.

Já academias de ginástica, quadras esportivas e clubes de práticas esportivas deverão funcionar com controle de frequência de alunos e praticantes, diariamente até as 20 horas, com adoção de medidas de higiene e prevenção sugeridas e com, no máximo, 20% da capacidade máxima aprovada no AVCB emitido pelo Corpo de Bombeiros Militares.

Os estabelecimentos bancários, cooperativas de crédito e lotéricas em funcionamento do município, devem obedecer o quantitativo de pessoas no interior de suas agências e postos de atendimento de 30% da sua capacidade de lotação máxima, mantendo o distanciamento mínimo de 2 metros, bem como devem promover a divulgação destas medidas na entrada das agências e postos de atendimento.

As áreas externas de autoatendimento, deverão funcionar de portas abertas, visando a circulação do ar. Fica permitido também a distribuição de senhas e o agendamento dos atendimentos. Além disso, as instituições bancárias deverão promover a higienização e desinfecção, com álcool em poltronas, encostos, equipamentos eletrônicos de consumo comum e etc.

Supermercados, mercearias, casas de frios, açougues e similares deverão funcionar com 30% da capacidade máxima de lotação. Além do que os proprietários deverão disponibilizar funcionários para orientar e supervisionar a formação de filas para a entrada no estabelecimento, mantendo o distanciamento interpessoal de no mínimo 2 metros.

Para salões de beleza, barbearia e clínicas de estética deverão funcionar até 20 horas, sendo vedada a manutenção de clientes em situação de espera, devendo regular o número de clientes no interior do estabelecimento com o mesmo número de funcionários da especificidade do local. Já a rede hoteleira, pousadas e pensões ficam proibidas de receber excursões de quaisquer localidades, sob pena de suspensão ou cassação do alvará.

As atividades religiosas como missas, celebrações, cultos, entre outros poderão ocorrer diariamente até as 20 horas, com intervalo mínimo de 2 horas, com ocupação de 20% da capacidade. Ainda é necessário realizar a higienização ambiental entre as celebrações e disponibilizar aos fiéis, locais para a higienização das mãos com álcool gel 70%, sendo permitido álcool líquido. Os fiéis também devem permanecer de máscara.

O decreto regula, ainda, essas atividades não essenciais entre os dias 8 e 22 de janeiro, considerando a necessidade de impor medidas mais restritivas para o funcionamento do comércio, indústria, prestadores de serviços e eventos de qualquer natureza, com o objetivo de prevenir o contágio e evitar o colapso da rede hospitalar, ambulatorial e particular.