Destaques Saúde

Número de recuperados de covid-19 aumenta em Paraíso

Por Ralph Diniz / Especial

5 de agosto de 2020

O médico residente Frederico Isolani de Andrade, de 28 anos, recebendo alta. / Foto: Divulgação

S.S. DO PARAÍSO – O boletim divulgado pela Secretaria de Saúde de São Sebastião do Paraíso na tarde de ontem, 4, apontou que mais pessoas que testaram positivo para o novo coronavírus já estão recuperadas. Dos 181 casos confirmados no município até agora, 139 não apresentam mais nenhum sintoma da doença.

Um dos casos de cura que mais chamaram a atenção no município nos últimos dias foi o do médico residente Frederico Isolani de Andrade. Ele ficou 17 dias internado na Santa Casa de Misericórdia depois de ser infectado pela covid-19 enquanto trabalhava na linha de frente contra a doença no hospital paraisense. O profissional de 28 anos recebeu alta na semana passada.

Em nota divulgada pela Santa Casa, os médicos e demais profissionais que atuam no hospital falaram sobre a luta do colega.

Esse episódio, para quem acompanhou de perto, mexeu com todos. E não foi pouco. Fred passou por momentos únicos, que nós médicos da linha de frente e amigos, assim como toda equipe de enfermagem supúnhamos, mas não poderíamos imaginar. Foram 17 dias de internação. Assim como 17 dias de união, determinação, estudos, oração, promessas e muita fé”.

O número de pessoas internadas na ala covid da Santa Casa com sintomas suspeitos da doença também caiu. Segundo os dados divulgados pela prefeitura, dez pacientes recebem cuidados na enfermaria (sete munícipes) e um na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). As taxas de ocupação dos leitos são de 21% e 5%, respectivamente. Em julho, esses números chegaram próximo de 50%.

Ainda de acordo com o boletim da Secretaria de Saúde, dos 181 casos confirmados de covid-19, 37 estão em isolamento domiciliar e um permanece internado na Santa Casa. Quatro pessoas morreram e há um óbito sob investigação. Ao todo, 294 pessoas com sintomas suspeitos da doença estão isoladas em suas casas e são monitoradas pela Coordenadoria de Vigilância em Saúde – no dia 1º de agosto, eram 302.