Destaques Saúde

Municípios aderem à onda roxa e adotam medidas de restrição

Por Beatriz Silva / Redação

18 de março de 2021

Foto: Divulgação

Passos – Prefeituras de municípios da região, ao longo da tarde desta quarta-feira, 17, anunciaram novas medidas restritivas. Os decretos seguem a deliberação nº 130, de 3 de março de 2021, do Comitê Extraordinário Covid-19, que instituiu a onda roxa no plano Minas Consciente, e o anúncio feito pelo governador Romeu Zema, na última segunda-feira, que determinou a extensão da fase com mais restrições a todas as cidades de Minas durante 15 dias.


Foto: Divulgação

Você também pode gostar de: Piumhi instaura CPI sobre suposta compra irregular de combustíveis

Até a tarde de ontem, as administrações de Alpinópolis, Capetinga, Capitólio, Delfinópolis, Passos, Pimenta e Piumhi haviam aderido à onda roxa. Nesta fase, podem permanecer em atividade apenas os serviços classificados como “essenciais”. Entre estes, estão o setor de alimentos (excluídos bares e restaurantes, que só podem funcionar via delivery), os serviços de saúde, bancos, transporte público, serviços de energia, gás, petróleo, de manutenção de veículos e eletrônicos, além de lavanderias, empresas de comunicação e imprensa, ou os serviços públicos, como a atividade funerária, correios, e outros.

Na onda roxa, fica proibida a realização de eventos públicos e privados e é instituído o período de restrição de circulação de pessoas, entre 20h e 05h. Decreto vigente em Passos estabelece que, entre as atividades presenciais suspensas, estão as realizadas em escolas, aulas de reforço e creches, bem como o funcionamento de academias, floriculturas, lojas de bicicletas, salões de beleza, autoescolas, serviços de ambulantes, lava-jato, etc.

Podem funcionar as oficinas em geral, autopeças, autoelétricas, borracharias, concessionárias, serviços de táxi e mototáxi, postos de combustíveis e distribuidoras de gás de cozinha, serviços funerários, a indústria em geral, cartórios, bancos, escritórios de contabilidade, central de atendimento, lojas de tecidos e aviamentos, e hotéis para uso de trabalhadores de serviços essenciais, como residência ou local de isolamento.

No caso de lanchonetes, os estabelecimentos poderão funcionar com retirada no local e, entre as 20h e 5h, apenas sob o regime de delivery. As empresas do ramo de funerários deverão atuar adotando os protocolos sugeridos e com restrições de acesso, com funcionamento aberto ao público de 07h às 19h.

Em relação às atividades religiosas, celebrações, reuniões em geral, inclusive grupos de orações e de estudos, as mesmas poderão ocorrer com intervalo de duas horas entre os eventos, e disponibilizando lugares e assentos de forma alternada entre as fileiras e observando o distanciamento interpessoal de no mínimo três metros.

Também está proibida a venda de bebidas alcoólicas entre 20h e 5h e a utilização de praças e outros espaços públicos para a prática de atividades que possam gerar aglomeração de pessoas durante o período em que o município se encontrar classificado na onda roxa.

Em caso de descumprimento das regras estabelecidas, assim como em qualquer ato regular relativo ao estabelecimento de medidas sanitárias, o infrator estará sujeito às sanções previstas no Artigo 97 da Lei Estadual Nº13.317 e multa. Qualquer cidadão que notar irregularidade sanitária ou descumprimento de medidas de prevenção à covid-19 poderá denunciar via whatsapp (35) 98871-1209, por meio de mensagem.


Carmo e Paraíso mantêm comércio não essencial durante nova fase

C. R. Claro – Os prefeitos de Carmo do Rio Claro, Felipe Carielo, e de São Sebastião do Paraíso, Marcelo Morais, afirmam que vão manter o comércio classificado como “não essencial” aberto nos dois municípios, desde que seguindo os protocolos de saúde exigidos para evitar a propagação do novo coronavírus.

A proibição no funcionamento do comércio considerado não essencial é uma das determinações impostas na onda roxa, que passou a vigorar em todo o estado desde ontem. Em seu perfil nas redes sociais, Carielo reforçou que Carmo do Rio Claro não aceitaria a imposição.

Carmo do Rio Claro já comprovou que o comércio não é o ‘vilão da história’. Precisamos manter as regras de prevenção, mas sem lockdown”, pontuou.

Sobre a publicação de Carielo, entre os mais de 90 comentários pesquisados até o encerramento desta edição da Folha, a maioria das interações parabenizaram a decisão do prefeito.

Concordo plenamente. Também acho que não é o comércio que colabora com a piora da pandemia, e sim a desobediência do povo com aglomerações, principalmente dos nossos jovens. Se não houver consciência partindo de cada ser humano, vamos ficar enxugando gelo”, disse uma internauta.

Também em Carmo do Rio Claro, segundo o boletim epidemiológico de terça-feira, 16, nove novos casos de infecção por covid-19 foram registrados pela Secretaria de Saúde. Sendo assim, até o início da semana, a cidade contava com 453 casos confirmados, sendo, deste total, 412 pessoas recuperadas, 19 em recuperação domiciliar, seis pacientes em internação e 16 óbitos.

Em entrevista à Folha, o prefeito de São Sebastião do Paraíso, Marcelo Morais, informou que seguirá as restrições características da Onda Roxa de forma parcial.

Como fecharemos uma loja que possui apenas três funcionários trabalhando e manteremos uma fábrica de ração, por exemplo, onde inúmeras pessoas podem estar em situação de aglomeração? Por este tipo de situação, manteremos o comércio considerado ‘não essencial’ em funcionamento, desde que seguindo todas as medidas sanitárias necessárias. Em relação ao período de restrição de circulação, imposto entre 20h e 05h, contaremos com o apoio da Polícia Militar para seguir tal medida”, disse.

Na próxima segunda-feira, 22, o comitê de saúde de São Sebastião do Paraíso deve avaliar os números referentes à covid-19 e, se necessário, o município terá novas medidas para contenção da propagação do novo coronavírus.