Destaques Saúde

Comerciantes relatam otimismo com reabertura em Passos

Por Laura Abreu / Redação

13 de abril de 2021

Alguns segmentos não podem ter atendimento presencial. / Foto: Divulgação

PASSOS – Após 25 dias em lockdown parcial, o comércio de Passos reabriu nesta segunda-feira, 12, e a volta do funcionamento deixou empresários do setor otimistas. O funcionamento foi autorizado por decreto municipal divulgado na última quinta-feira.

Para o proprietário de loja de móveis Luciano Silveiro Goulart, o movimento neste primeiro foi considerado igual ao registrado antes do fechamento. Ele afirma ter havido prejuízo considerável com as restrições, mas que, casa não haja novo fechamento, em dois ou três meses a empresa consegue cobrir as perdas.

A gerente de uma loja de artigos de cama, mesa e banho Suelen Fernanda do Nascimento afirma que as vendas caíram 80% na loja, e que, no sistema de vendas por delivery, houve recuperação na última semana. Segundo ela, a expectativa é positiva.

O ano passado, apesar da pandemia, foi o período que mais crescemos. Com esse novo auxílio, a expectativa é que cresçam as vendas e nós esperamos também que a situação da covid-19 melhore, porque a gente trabalha com medo”, disse.

O presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Passos (Sindipass) e diretor da Associação Comercial de Passos (Acip), Gilson Ribeiro Madureira, disse que havia ansiedade para a reabertura e o que sentimento no segmento é de otimismo. De acordo com ele, o comércio já vinha estagnado e fraco, mas que o lockdown parcial foi um agravante para o setor. Para ele, as aglomerações acontecem em magazines maiores, filas de bancos e lotéricas, sendo necessário a conscientização de todos para que o comércio não volte a fechar.

Todo comércio, de modo geral, é essencial. Nós estamos fazendo várias ações, como campanhas de conscientização nas ruas, por exemplo. Vamos enviar e-mail e, provavelmente, vamos nos reunir com representantes dos grandes magazines. Quando a gente faz um pedido para o prefeito, a gente está ciente de que, se não fizermos a nossa parte, não vai adiantar nada. Por isso que a gente pede o apoio de todos os magazines, dos gerentes dos bancos e das lotéricas para que cuidem de seus ambientes. Assim, a gente não retroage. Se não cuidar, pode ter outro lockdown, aí vai ser difícil o comércio reerguer novamente”, disse.

Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), Frank Freire, a situação é bem dramática, principalmente, para os pequenos empresários tiveram que fechar os estabelecimentos. Ele afirma acreditar que se não houver novos decretos com fechamento do comércio, uma parcela consiga se reestabelecer e recuperar os prejuízos. Segundo Freire, a situação atual é semelhante à do ano passado, quando o comércio permaneceu fechado durante 22 dias.

Se tiver um novo fechamento, pode esperar um caos social, muitas demissões e sem acerto. O fechamento gera uma propagação de pobreza. Não só os pequenos empresários, mas os colaboradores também estão tensos, com medo. No ano passado, houve uma retomada lenta, a partir de agosto, quando o comércio começou a dar uma decolada. Esse ano, o quadro da doença se agrava, mas as pessoas não conseguem ficar dois anos em casa por uma série de coisas. A expectativa é que a retomada seja um pouco melhor, temos que esperar para ver”, disse Freire.

Prefeitura

A Prefeitura de Passos informou, na tarde ontem por meio de nota, que vai aguardar a deliberação do governo estadual que deve ocorrer nessa quarta-feira, 14, para decidir sobre novo decreto no município. Segundo a administração, o poder público municipal foi notificado pelo Ministério Público sobre os índices epidemiológicos que levaram à autorização da abertura do comércio, já que o protocolo de biossegurança da onda roxa prevê a suspensão de atividades consideradas não essenciais e alerta sobre a possibilidade de crime de improbidade administrativa.


Termos

O decreto que permite a reabertura do comércio considerado não essencial institui a assinatura de um termo de compromisso pelo comerciante para, segundo o diretor de Desenvolvimento Municipal e Referência em Gestão Estratégica e Estatística, Maxwell Messias Ribeiro, foram assinados 292 termos de compromisso neste momento e o total chega a 494 quando computadas as adesões ao formulário anterior.


Justiça nega mandado de segurança impetrado pela ACE de Piumhi

Foto: Divulgação

PIUMHI – O pedido de liminar formulado no mandado de segurança impetrado pela Associação Comercial e Empresarial de Piumhi (ACE) solicitando a suspensão dos efeitos da deliberação que determinou a suspensão das atividades consideradas não essenciais foi indeferido pelo Poder Judiciário.

Ao se posicionar pelo indeferimento da liminar, o desembargador Kildare Carvalho prosseguiu com seu entendimento lançado em outros mandados de segurança, ali afirmando a competência do chefe do Executivo, a supremacia do interesse público e a condição de lotação das Unidades de Terapia Intensiva (UTI) no Município.

Deste modo, objetiva o impetrante, em caráter liminar, a concessão da liminar para que se suspendam os efeitos da Deliberação nº 138/2021. Com efeito, não se descura a importância de se prestar tutela adequada à livre iniciativa e à valorização do trabalho humano, fundamentos da ordem econômica e seus princípios, insculpidos no art. 170 da Constituição Federal. Por outro lado, impossível desconsiderar, também, o direito fundamental à saúde, assegurado pelo art. 196 do texto constitucional e dos bens jurídicos mais importantes protegidos pelo ordenamento vigente”, afirmou.

Ainda no seu pronunciamento, o magistrado reconheceu a dificuldade do quadro atual:

Não desconheço a importância do comércio não essencial para a retomada econômica e para a preservação dos empregos, e me compadeço com a situação vivenciada pelos comerciantes de todo o país”.

Depois de receber o resultado do Tribunal de Justiça, os dirigentes da Associação Comercial e Empresarial de Piumhi estão direcionando agora uma ação junto aos representantes políticos da região na Assembleia Legislativa de Minas Gerais para tentar reverter a decisão da Secretaria de Saúde para incluir Piumhi na onda vermelha.