Destaques Saúde

Cemig investe em hospitais no Sul de Minas

24 de fevereiro de 2021

Foto: Divulgação (Agência Brasil)

BELO HORIZONTE – Com o objetivo de contribuir com as instituições que cuidam da saúde dos mineiros, principalmente em época de pandemia, a Cemig, por meio do seu Programa de Eficiência Energética, está investindo na substituição de equipamentos mais eficientes para os hospitais públicos e filantrópicos de Minas Gerais.

No Sul de Minas, o programa entregou 15 secadoras de roupa, 20 autoclaves, 11 focos cirúrgicos e também investiu na substituição de cerca de 1.784 pontos de iluminação por LED. Com essas melhorias, a Cemig investiu aproximadamente R$ 4,3 milhões em quinze hospitais da região, nas cidades de Três Pontas, Baependi, Nepomuceno, Três Corações, Passa Quatro, Caxambu, Pouso Alegre, Varginha, Ouro Fino, Alfenas, Santa Rita do Sapucaí, Itajubá, Perdões e Cristais.

As novas secadoras oferecem mais agilidade aos processos hospitalares e auxiliam na redução do consumo de energia, conforme afirma o engenheiro de eficiência energética da Cemig, Fernando Queiroz.

Esse modelo de secadora é desenvolvido com tecnologias capazes de evitar o superaquecimento, característica fundamental para a conservação das roupas e, principalmente, para a segurança dos profissionais da saúde”, explica.

Já as novas autoclaves garantem mais segurança no processo de esterilização e também contribuem para a redução do consumo de energia.

A autoclave é um aparelho dotado de recipiente hermeticamente fechado, cujo interior atinge altas temperaturas. Esse equipamento é utilizado para esterilizar artigos por meio de calor úmido sob pressão”,  afirmou o engenheiro.

Ainda de acordo com o engenheiro de Eficiência Energética, os novos focos cirúrgicos – lâmpadas utilizadas em procedimentos de alta complexidade, com tecnologia LED, oferecem condições mais favoráveis para a acuidade visual e nitidez dentro dos centros cirúrgicos.

Essa característica pode ampliar até mesmo a gama de cirurgias realizadas em um hospital. A falta de focos cirúrgicos com essas propriedades pode resultar na transferência de procedimentos para outras instituições”, explicou Queiroz.