Destaques Saúde

Câmara aprova projeto para Centro de Saúde Mental no Otto Krakauer

Por Adriana Dias / Redação

15 de julho de 2021

Vereadores aprovam projeto que autoriza o município a atualizar a estrutura do Otto Krakauer. / Foto: Divulgação

PASSOS – Desde 2016, com o fechamento do Hospital Otto Krakauer, mantido pela Fundação Beneficente São João da Escócia (FBSJE), a diretoria vem buscando uma alternativa para o espaço. O início das tratativas para que o local fosse utilizado para um centro de atendimento à saúde mental se deu com a administração do então prefeito, Carlos Renato de Lima Reis, o Renatinho Ourives, porém, a aprovação por unanimidade, em duas sessões extraordinárias pela Câmara de Passos, só aconteceu nesta quarta-feira, 14, com projeto de lei de autoria do Poder Executivo que autoriza o município a utilizar a estrutura e fazer repasse financeiro para a fundação.

O presidente da FBSJE, o advogado Piassi Giovani, em entrevista à Folha informou que, pelo projeto, a prefeitura deve utilizar o antigo Hospital Otto Krakauer para montar todos os equipamentos e programas relativos à saúde mental, tais como Centro de Atenção Psicossocial (Caps) 1 e 2, Caps AD, para álcool e drogas, e o Caps I – que é o infantil, centralizando um atendimento que atualmente está dividido em diversos endereços.

O projeto também autoriza a administração a realizar a transferência de recursos da Secretaria Municipal de Saúde para a FBSJE no valor de R$7 mil mensais, somando R$84 mil anuais. O valor repassado tem início com a assinatura do termo de colaboração entre o município e a Fundação e, conforme aprovado, a prefeitura só pode utilizar o local para atendimento à saúde mental da população de Passos, por um período de 12 meses.

A Fundação deve utilizar os recursos para a manutenção do patrimônio, uma vez que é responsabilidade dos gestores da entidade manter o patrimônio para não perder a função como fundação. Com o recurso, podemos pagar impostos, por exemplo. A FBSJE também disponibilizou diversos equipamentos como móveis, utensílios e aparelhos”, explicou Giovani que esteve acompanhado durante a sessão dos membros da diretoria da Loja Maçônica Deus Universo e Virtude Jorge Júlio Ferreira, Célio Pereira Soares Maia e José Raimundo Rezende.

O prefeito Diego Oliveira deve sancionar o projeto, que seguiu para a prefeitura como Lei nº 30/2021 o mais rápido possível, segundo a Assessoria de Comunicação.


Pronunciamentos

O presidente da Câmara, Alex Bueno, destacou o papel da Loja Maçônica Deus Universo, com sua Fundação, nas ações sociais, definindo a votação como “uma tarde histórica” e agradecendo os membros da instituição. Antes dele, havia se pronunciado o vereador Edmilson Amparado, que a Câmara atua com responsabilidade e que o projeto é de grande relevância porque a saúde mental vai para um local de condições físicas excelentes. A presidente do Conselho Municipal de Saúde, Oneida Amparado, também compareceu à sessão.

Para o vereador Michael Silveira, o projeto é importante devido ao aumento de casos de transtornos mentais após a pandemia. O vereador Luis Carlos do Souto Júnior disse que a aprovação representa a criação de um centro de saúde mental..

O vereador Maurício Silva disse que a aprovação significa a oportunidade de voltar com tratamento no antigo Otto. Para a vereadora Aline Macedo, a iniciativa é importante num momento que é crescente o número de pacientes com transtornos e de dependentes químicos.
A vereadora Gilmara Oliveira disse que a aprovação valoriza o trabalho da Fundação, destacando que a parceria com o município vai dar condições de uma melhor estrutura. Já o vereador João Serapião em seu pronunciamento afirmou que o benefício será expressivo para quem trata de transtorno, pois o serviço estará centralizado.

O vereador Plínio Andrade afirmou considerar o momento como histórico, por entender que é projeto de extrema importância. Na avaliação do vereador Dirceu Soares, a importância está na criação de um centro de saúde mental e que a estrutura do antigo hospital resolve essa demanda. O vereador Francisco Sena, por sua vez, avalia que a transferência será fundamental para o tratamento.