Destaques Saúde

Brigada notifica 15 estabelecimentos após decreto municipal em Passos

Por Beatriz Silva / Redação

22 de janeiro de 2021

Prefeito Diego Oliveira e Procuradora Eliane Abreu esclarecem sobre o decreto. / Foto: Divulgação

PASSOS — Apesar das ruas de Passos amanhecerem vazias nesta quinta-feira, 21, e a maioria dos estabelecimentos estarem fechados devido ao Decreto nº132, de 19 de janeiro, as equipes da Brigada de Enfrentamento à Covid-19 registraram 15 autuações. Desse total, em dois locais foram aplicadas multas no valor de R$5 mil cada. Desde as 22h da última quarta-feira, o município voltou para a onda vermelha do Minas Consciente, a mais restritiva do programa do governo mineiro para a retomada da economia.


Você também pode gostar de:

De acordo com o decreto, apenas os serviços considerados essenciais podem funcionar. Entre estes, estão as atividades agropecuárias, bancárias, religiosas, da construção civil ou alimentos, além de setores relacionados à saúde, comunicação, transporte, tratamento de água e esgoto e outros.

Em entrevista coletiva realizada ontem, o prefeito de Passos, Diego de Oliveira, afirmou que o principal objetivo do decreto é diminuir a circulação de pessoas.

O propósito deste documento é fazer com que as pessoas circulem menos, ou seja, quando realmente houver necessidade. Diante dos altos números de infecções e a disponibilidade de leitos que temos para atender Passos e região, é muito importante que tenhamos cautela e responsabilidade neste momento”, disse.

Diego afirmou também que o número de fiscais na Brigada de Enfrentamento à Covid-19 aumentou, passando para 19 profissionais.

Não faria sentido restringir as atividades se não tivéssemos quem fiscalizar. Com o atual número de pessoas que contribuem com este controle, conseguimos abranger mais áreas do município”, disse.

Questionado sobre a flexibilização das medidas, o prefeito alegou que a autorização depende das diretrizes estaduais.

Desde que retornamos ao Minas Consciente, nossas ações dependem dos estudos municipais e, principalmente, do plano estadual. Caso Passos retorne à Onda Amarela, imediatamente flexibilizaremos as atividades, no entanto, enquanto estivermos na Onda Vermelha, é inevitável que adotemos ações mais restritivas. Ainda neste âmbito, claro que nos preocupamos com a economia e possibilidade de desemprego, porém, diante da iminência de perder tantas vidas, não há alternativa”, argumentou.


Sistema delivery pode ser usado por vários segmentos

PASSOS – A procuradora do município de Passos, Eliane Abreu, disse que os segmentos de saúde estão autorizados a funcionar.

Uma dúvida frequente da população tem relação com as atividades relativas à saúde, consultórios, hospitais e farmácias podem continuar abertos, o que permanece fechado são os estabelecimentos voltados à estética”, explicou.

Sobre o sistema de delivery, Eliane lembrou que este, por sua vez, é válido para todos os segmentos.

O delivery não é restrito apenas para as atividades de lanchonetes, bares e restaurantes. Além de comida, qualquer outro segmento, tal como de vestuário, pode funcionar por meio de entrega em domicílio”, disse.

Além da modalidade de entrega em casa, independentemente de o estabelecimento poder ou não abrir durante a vigência do decreto, o consumidor pode receber produtos dentro do veículo, desde que sejam cumpridas medidas sanitárias, tal como o uso de máscaras e álcool em gel.

Na fase vermelha do Plano Minas Consciente são autorizadas as atividades agropecuárias, bancárias, de seguros, casas lotéricas e similares; além da construção civil (incluindo o comércio varejista de materiais de construção; comércio atacadista de madeira, ferragens, ferramentas e material elétrico. Fábricas, produção e manutenção de energia elétrica, extração mineral, siderúrgicas e equipamentos industriais (inclusive comércio atacadista) também funcionam.

Entre os segmentos de saúde autorizados, estão farmácias, os de produtos veterinários, clínicas e demais tipos de consultas. Ainda podem realizar suas atividades as empresas de comunicação e imprensa; de transporte, de veículos e correios. O comércio de combustível, gás liquefeito e derivados; o comércio atacadista de embalagens e resíduos de papel; além do comércio de roupas e acessórios para uso profissional e EPI ‘s, do mesmo modo, continuam em atividade.

Por último, o tratamento de água, esgoto e resíduos; hotéis, pousadas e afins; às atividades jurídicas, administrativas e contábeis; serviços autônomos em geral; atividades de vigilância, segurança privada e transporte de valores e a referentes à educação superior (somente aulas práticas de cursos de saúde com atendimento ao público) permanecem ativas.

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) será mantido e ocorrerá, seguindo medidas sanitárias, neste domingo, 24. A realização de atividades festivas, reuniões ou qualquer tipo de aglomeração, em local público ou privado, bem como a desobediência à proibição das atividades descritas como não essenciais acarreta ao infrator a penalidade de multa ficada em R$5 mil. Denúncias podem ser realizadas por meio do número de telefone (35) 9 8871-1209.


GUIA DA VACINA

O que você precisa saber sobre a campanha de imunização contra a covid-19

20 – Qual é o tempo entre a primeira e a segunda doses?

R – Cada vacina tem um. Para a CoronaVac, são duas semanas, e para a Oxford são três semanas. Cada vacina tem um protocolo correto de distanciamento temporal entre as doses.


21 – Quais documentos são necessários para se vacinar?

R – Documento de identidade e o cartão de vacinação.


22 – Se não tiver o cartão de vacinação, a pessoa consegue ser vacinada mesmo assim?

R – Para qualquer vacina tem que levar o cartão, mas a ausência não é prerrogativa para a recusa da vacinação. Nesse caso, o profissional que aplicar a vacina fará um novo cartão.


23 – É preciso guardar o comprovante da vacina? Por quanto tempo?

R – Sim, permanentemente. Mas o governo tem uma organização caso o comprovante seja perdido. Quando a pessoa é vacinada, entra em um cadastro e os sistemas de saúde têm acesso aos dados.


24 – Vai ter vacinação em casa para idodos ou eles terão que se deslocar?

R – Segundo informe técnico do Ministério da Saúde, eventualmente poderá ser feita a vacinação em domicílio, considerando pessoas com dificuldade de locomoção, mas a nota não especifica como isso será feito. Deve ficar a cargo de cada gestor (prefeituras e governos de estado).


25 – Deficientes físicos: vai ter vacinação em casa ou terão que se deslocar para receber a vacina?

R – Pessoas com dificuldade de locomoção poderão ser atendidas em casa, embora isso não seja detalhado ainda pelo Ministério da Saúde. Deve ficar a cargo de cada gestor (prefeituras e governos de estado). Mas o deficiente físico só será atendido no caso de se encaixar como prioridade.


26 – Há contraindicação para vacinar pessoas com câncer?

R – Não há contraindicação para pessoas que têm câncer ou outras doenças imunodebilitantes. Pelo contrário, são indicação formal para a vacina, já que nesse grupo os riscos de adoecimento grave são maiores.


27 – Se tive Covid-19 posso ser vacinado?

R – Pode, mas o que se sugere é que pessoas que já tiveram a doença, e podem estar imunes a uma nova infecção pelos menos por algum tempo, deveriam deixar a vacina, por ora, para quem ainda não teve a infecção


28 – Para quem as vacinas contra a covid-19 não são indicadas?

R – Grávidas, pessoas com febre, que apresentem qualquer doença ou sintomas no momento da vacinação, pessoas imunodeprimidas ou quem têm alergia aos componentes da vacina.


29 – A pessoa vacinada pode contrair o vírus e/ou transmiti-lo?

R – Sim. A eficácia da vacina não é de 100%. Por isso a importância de manter todos os cuidados enquanto a pandemia for grave.


30 – Posso ser infectado pelo coronavírus ao tomar a vacina?

R – Não. As vacinas não têm coronavírus vivos.


31 – Após completar a vacinação, posso pegar COVID-19?

R – Sim. Você deve continuar a evitar aglomeração, manter o distanciamento das pessoas, evitar ambientes fechados, usar máscara.


32 – Posso parar de usar a máscara após me vacinar?

R – Não, porque a vacina não garante absolutamente a ausência de infecção. Enquanto as taxas de transmissão estiverem elevadas, é preciso manter as mesmas precauções.


33 – Quanto tempo após tomar a vacina eu poderei frequentar festas, bares, aglomerações etc?

R – Não se deve alterar o comportamento em relação ao vírus enquanto as taxas de circulação viral estiverem altas.


34 – Quem já teve COVID-19 logo no início da pandemia e é do grupo de risco ou prioridades vai ser vacinado?

R – Se informar que já teve a infecção não será vacinado, porque não precisa.

Continua na próxima edição.