Destaques Saúde

Apae registra 4 óbitos por covid-19 em Passos

Por Adriana Dias / Redação

7 de julho de 2021

Desde o início da pandemia até agora, a Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais de passos registrou 4 mortes por covid. / Foto: Helder Almeida

PASSOS – Do início da pandemia até agora, a Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Passos registrou quatro óbitos, sendo um funcionário, de 70 anos, e três usuários dos serviços oferecidos pela instituição. O primeiro falecimento foi em setembro de 2020 e a última morte aconteceu neste domingo, 4, de um jovem com síndrome de Down.

De acordo com a diretora pedagógica, Terezinha de Lourdes Pereira, ao longo de toda a pandemia dez funcionários testaram positivo para a doença, e, devido ao registro de três novos casos, foi feita uma notificação de surto. Segundo ela, a Apae ficou fechada por dez dias e foi feita uma desinfecção na unidade, que conta com 70 funcionários próprios e cinco cedidos pela prefeitura.

Terezinha contou que durante toda a pandemia a Apae faz um monitoramento e que apenas um estudante, até o momento, foi contaminado pelo coronavírus.

Ele teve casos na família, tanto o pai quanto a mãe estavam com covid-19 e o avô também, que faleceu por complicações da doença. Mas, o estudante está bem e recuperado. Já os outros que são usuários do serviço Apae não tiveram a mesma situação. Dois eram deficientes intelectuais com múltiplas causas e com comorbidades e um deles tinha síndrome de Down com comorbidades, dentre elas diabetes, cardiopatia e estava acima do peso, sendo que chegou a tomar a primeira dose da vacina em maio e em agosto tomaria a segunda dose”, disse.

Já com relação aos atendimentos clínicos, quem presta os esclarecimentos é a enfermeira e responsável técnica pelo Setor de Enfermagem, Wilsiane Maria Calixto Rossi de Souza.

Nós atendíamos antes da pandemia uma média de 600 pacientes, com variações. Chegamos a atender 700, tanto de Passos como da região. Com a pandemia fizemos um plano de contingência para o retorno de forma a obedecer todos os protocolos e para não deixar a população sem o serviço”, explicou.

Ainda conforme a enfermeira, até o momento, 58 usuários tomaram vacina por serem maiores de 18 anos ou terem alguma comorbidade (integrantes do Benefício de Prestação Continuada) e também os que têm síndrome de Down. Dos funcionários, 60 já tomaram a primeira dose. Porém, a maioria dos usuários do serviço Apae é menor de 18 anos, necessitando aguardar a vez no Plano de Nacional de Imunização.

Lembramos que a vacinação é feita de acordo com o Plano Nacional de Imunização, portanto, não depende de nós da Apae a relação de quem vai receber a vacina. Orientamos as famílias para a importância de quando chegar a fase que levem nos postos ou tragam aqui na Apae para a vacinação. Ela salva vidas, mas se tomadas as duas doses e também se todos respeitarem os protocolos de segurança sanitários. E, a perda, quer seja de funcionário ou dos nossos usuários é para todos nós como se perdêssemos um ente familiar, porque a Apae é uma grande família”, assegurou Wilsiane.

Segundo a enfermeira, mesmo no período em que as portas da Apae ficaram fechadas, os profissionais seguiram trabalhando e atendendo os alunos e usuários.