Destaques Saúde

Alpinopolense é membro do Instituto Genealógico do Sul de Minas

8 de junho de 2021

Foto: Divulgação

O pesquisador, historiador e genealogista Juliano Pereira de Souza, o Cabo Juliano, compõe, desde o último dia 5, o quadro de membros do Instituto Genealógico do Sul de Minas (Igensm). Organizado como uma casa, a Casa Monsenhor Lefort, conta com 40 cadeiras cujos patronos são nomes que trazem aportes para um amplo arco espacial, temporal e temático, cuja sede é em Poços de Caldas. São genealogistas com trabalhos que se debruçam sobre as origens de famílias ibéricas, dos povos originários americanos; africanos, afro-brasileiros e estrangeiros das mais variadas procedências. Recuam até a fundação de Portugal e alcançam os dias de hoje.

Juliano é policial militar, casado, pai de dois filhos, e vem desenvolvendo desde 2009, pesquisas nos campos genealógicos e históricos da cidade e região, resgatando informações em cemitérios, paróquias, cartórios, arquivos das comarcas e centros de memória de algumas localidades da região, bem como colhendo depoimentos de pessoas mais idosas para gerações mais novas. Realizou pesquisas nas cidades de Alpinópolis, Carmo do Rio Claro, Conceição da Aparecida, Nova Resende, São José da Barra e Passos.

Tais informações são de enorme importância sobre a história e a genealogia do município de Alpinópolis e cidades da região e com isso vem criando um acervo histórico de documentos, fotografias para conservar a história do município. Está sempre em diálogo e cobrando das autoridades locais, a fim de garantir e preservar a história do município.

Inscreveu-se em 2018 para integrar como membro no Colégio Brasileiro de Genealogia (CBG), sendo aceito pelo conselho da instituição. No ramo da Genealogia, está pesquisando sobre a descendência de Ana Teodora de Figueiredo, “Dona Indá” e seu marido o Alferes José Justiniano dos Reis, que foram doadores do patrimônio do padroeiro São Sebastião da cidade de Alpinópolis, antiga “Fazenda Ventania”.

Pesquisa que atualmente e está com aproximadamente 1900 páginas e abrange vários sobrenomes de famílias da cidade e região: Figueiredo, Vilela, Reis, Faria, Rodrigues, Alves, Freire, Silva, Garcia, Oliveira, Borges, Lemos, Ferreira, Lima, Paula, Agelune, Pereira, Andrade, Bueno, Brasileiro, Ribeiro, Morais, Carvalho, Ávila, Damasceno, Nunes, Krauss, Silveira, Pires e outros.

Devido à sua boa convivência e presteza já foi solicitado por outros historiadores e genealogistas para contribuir com pesquisas e materiais, fato prontamente atendido. Contribuiu com a publicação em 2015 da Inspetora e historiadora Irene Gonçalves Brasileiro Pimenta para a publicação: “A Linhagem da Família Brasileiro e Alves de Figueiredo”; bem como também foi solicitado a contribuir com material fotográfico para o livro “Sentido das Águas”, publicado em 2016, pela Editora Plusinfo.

Em 2020 lançou o Livro: “Ventania Valorizando nosso Povo – conhecendo nossa história”, o qual retrata pessoas que não foram reconhecidas pelo poder público como figuras históricas da cidade de Alpinópolis, que não tiveram reconhecimento em nome de ruas, praças e logradouros públicos. O livro chama a atenção das autoridades na questão histórica e pede o reconhecimento das autoridades.

Devido à publicação do livro conseguiu nomeação de vários logradouros públicos dos personagens relatados em seu livro.

O autor atualmente está elaborando outro livro intitulado: “Caminhando pela História – Um Passeio pelas Ruas”, que remonta o histórico de cada homenageado e a história daquele logradouro, o autor não se limita somente a isso e traz a genealogia das famílias (ascendência e descendência), bem como retrata a história da cidade e dos bairros fazendo o leitor conhecer a história da cidade de Alpinópolis.

O alpinopolense passa a ocupar a Cadeira n 19, cujo patrono é Jarbas Jayme, nascido e falecido em Goiás, que foi um memorialista, escritor, professor, brilhante jornalista e de secretário municipal em Palmeiras e prefeito daquela cidade goiana por duas vezes, além de Chefe de Polícia (Secretário de Segurança Pública, na atualidade) durante o Governo de Pedro Ludovico.