Destaques Saúde

496 pacientes fazem tratamento contra Aids ou HIV no Ambulatório Escola

2 de dezembro de 2020

Foto: Divulgação

PASSOS – Na última terça-feira, 1º, foi comemorado o Dia Nacional de Combate à Aids. De acordo com Geilton Xavier de Matos, farmacêutico do Ambulatório Escola (Ambes), de Passos, na região há 496 pacientes que fazem tratamento contra Aids ou HIV no local – ao todo, 261 são de Passos.

O farmacêutico explica que há uma diferença entre Aids e HIV. “Nem todo mundo que vive com HIV chega a desenvolver a Aids. HIV é uma sigla para vírus da imunodeficiência humana, é o vírus que pode levar à síndrome da imunodeficiência adquirida conhecida como Aids. Ao contrário de outros vírus, o corpo humano não consegue se livrar do HIV. A infecção do HIV não tem cura, mas tem tratamento, que pode evitar que a pessoa chegue ao estágio mais avançado da presença do vírus no organismo”, disse.

Segundo Matos, existem, atualmente, muitas estratégias eficazes para a prevenção ao HIV, como “a profilaxia pós-exposição e pré-exposição”. Ele explica que o próprio tratamento pode ser considerado prevenção, pois com a medicação adequada o paciente não corre risco de transmitir o vírus.

Temos o próprio tratamento como prevenção, porque um paciente usando a medicação corretamente, com os últimos exames de carga viral do HIV indetectáveis, não corre risco de transmitir à sua parceria. Além disso, tem transmissão vertical, que é quando temos a transmissão da mãe para o filho, mas não temos nenhum caso em Passos desde 2018”, explicou o farmacêutico.

Durante esta semana, será realizada uma live do Ambes, em parceria com as instituições de ensino superior de Passos. De acordo com Matos, a transmissão ainda não tem data confirmada, mas ocorrerá pela plataforma blackboard, por intermédio da Faculdade Atenas e com o apoio do diretor da Universidade do Estado de Minas Gerais (Uemg), Itamar Faria, e do enfermeiro do Instituto Federal do Sul de Minas (IFSul).

Nos próximos dias, por uma questão de agenda, realizaremos uma live envolvendo a Uemg, a Faculdade Atenas e o IFSul, em que abordaremos as novidades do tratamento do HIV e, também, as ações realizadas pelo Ambulatório Escola, que não parou no período da pandemia”, contou o farmacêutico.