Política

PMP nomeia novo diretor do Departamento de Trânsito

7 de Maio de 2020

PASSOS – Nomeado oficialmente pelo prefeito Carlos Renato Lima Reis, o Renatinho Ourives, o novo diretor Municipal do Departamento de Trânsito, Gerson Ferreira da Silva, assumiu a função na terça-feira, 5, e deixou o cargo de diretor de Estatísticas da Secretaria de Planejamento. Na gestão municipal anterior o servidor exerceu o posto de diretor Municipal de Transporte Público.

Sobre os planos à frente do órgão ele disse que ainda é cedo para revelá-los. “Eu nem conheço os meus companheiros de trabalho. É devagar que vou colocar a casa do meu jeito”, brincou o aposentado como investigador da Polícia Civil de Minas Gerais e autor do processo que Municipalizou o trânsito passense em 2015, processo que destina os valores arrecadados com as multas de trânsito para o município.

Questionado sobre o imbróglio envolvendo as mãos de direção da rua João Teixeira Mendes, Silva afirmou que assim que tomar ciência de todas as questões da diretoria ele se manifestará. “Como assumi hoje (ontem), ainda não tive tempo de analisar. Nesta quinta-feira, 7, já vou iniciar esse processo”, informou.

Belinha questiona estudo sobre mudança na mão de direção da rua João Teixeira Mendes

PASSOS – A vereadora Isabel Aparecida Ribeiro, a Belinha, se disse inconformada com a atitude do ex-diretor do Departamento de Trânsito da Prefeitura de Passos, Marcelo Alves da Silva, o Mingau, com relação às suas declarações feitas ao pedir exoneração do cargo na última quinta-feira. A parlamentar questionou o estudo feito pelo departamento, que segundo ela, não tem embasamento técnico, além de ter sido feito com dados de acidentes dos anos de 2017 e2018, com informações repetidas.

“O documento de estudo para implantação de mão única de direção da referida rua, apresentado pelo então diretor é nada profissional, cheio de falhas, não tem sequer data de protocolo. Ele assinou e não tem assinatura de ninguém técnico para suportar tal estudo. Fez um levantamento de acidentes com casos duplicados, que deve ser para supor índice alto. Usou foto de Google maps, ao invés de ir ao local fazer uma foto e ver a realidade. E, se fui questionada sobre ter feito um pedido em 2013 para colocar mão única naquele local, sim, fiz o pedido que à época a realidade era outra.

Mas, logo em seguida, lá em 2013 mesmo o prefeito não fez e os profissionais do departamento diziam que iriam fazer o estudo. E esta administração também, pelo que recebemos de documentos, não fez, porque não posso considerar isso um estudo. Agora, após as reuniões com o Prefeito Renatinho e comerciantes daquela localidade, a administração fará um estudo, com uso de engenheiro de trânsito no prazo de até 60 dias. Mingau foi covarde ao usar um documento que eu apresentei lá em 2013 tentando fazer acreditar que era atual e também se acovardou em pedir a exoneração”, afirmou Belinha.

Sobre o fato de ela ter cobrado o Chefe do Executivo à conta de ser seu voto responsável pela não cassação, conforme informou Mingau, a vereadora garante que neste caso seu voto não foi fiel da balança. “O ex-diretor, como diretor do Departamento de Transporte Urbano, que foi, deveria saber mais a respeito do que estava sendo analisado pela Câmara. No relatório final do vereador Erick Silveira não havia pedido de cassação, então, como eu votaria a favor ou contra isso?”, questionou a vereadora que como moradora do bairro há 6 anos, é favorável à mão dupla com estacionamento de um dos lados.

A parlamentar questionou o estudo feito pelo departamento, que segundo ela, não tem embasamento técnico.