Destaques Polícia

Registro de queimadas diminui na última semana

21 de setembro de 2020

Foto: Divulgação

PASSOS – O índice de queimadas aumentou durante o inverno em Passos. Embora isso seja comum no período, os registros deste ano foram maiores que no mesmo período do ano passado. De acordo com a 2ª Companhia do Corpo de Bombeiros Militar de Passos, no início da estação a alta foi de 368,75% em relação a 2019. Com a aproximação da primavera (22 de setembro), a quantidade de ocorrências envolvendo incêndios florestais já começou a oscilar, com diminuição dos números na última semana.

Um levantamento referente às duas últimas semanas – entre 6 e 18 de setembro – mostra que, no período analisado, a maior quantidade de queimadas ocorreu nos dias 10 e 12: foram cinco casos. Nos dias 9, 14 e 15, houve apenas uma chamada, enquanto na sexta-feira, 18, não foi registrada nenhuma ocorrência.

O tenente Daniel Anconi de Sousa ressalta os perigos das queimadas e diz que é importante evitá-las.

É necessário impedir que isso aconteça, porque o fogo pode se alastrar e resultar em graves acidentes. Especialmente se houver a incidência de ventos fortes, fica ainda mais difícil controlar as chamas. Além disso, a fumaça é capaz de prejudicar nossa fauna e flora e, ainda, causar inúmeros problemas respiratórios aos cidadãos”, disse.

Na época de estiagem, segundo Anconi, o ideal é que os produtores rurais adotem estratégias para evitar eventuais danos causados por incêndios.

Os moradores e agricultores devem manter a limpeza dos terrenos próximos de suas propriedades, o que dificulta o surgimento de um possível incêndio e, caso isso aconteça, faz com que o fogo não encontre nada que possa levá-lo às residências”, completou.

Conforme o artigo 41 da Lei nº 9.605/1998, conhecida por “Lei de Crimes Ambientais”, a prática de queimar florestas ou áreas de vegetação é considerada crime doloso e pode resultar em pena de dois a quatro anos de reclusão e multa. No caso de infração culposa, o tempo de punição é de seis meses a um ano e o autor tem de pagar entre R$1 mil e R$7,5 mil por hectare.