Destaques Polícia

Queimadas às margens das rodovias preocupam Bombeiros

Por Ralph Diniz / Especial

16 de julho de 2020

Na última semana, uma queimada consumiu mais de 30 hectares de vegetação às margens da rodovia LMG-836, em São Sebastião do Paraíso. / Foto: Divulgação

S.S. PARAÍSO – As queimadas às margens das rodovias são comuns nesta época do ano. Devido à baixa umidade do ar, o clima seco deixa a vegetação propícia para o alastramento do fogo. Diante disso, o 2º Pelotão de Corpo de Bombeiros Militar de São Sebastião do Paraíso tem demonstrado preocupação com o número de ocorrências registradas às margens das rodovias que cortam o município. Somente nos últimos três meses, a corporação já atendeu 143 casos desse tipo.

Na última semana, por exemplo, um incêndio em uma pastagem localizada ao lado da rodovia LMG-836 queimou mais de 30 hectares de vegetação. Dez homens precisaram de mais 2 de duas horas e meia de trabalho e mais de seis mil litros de água para conter as chamas. A densidade da fumaça gerada foi tão grande que o trânsito naquele local teve que ser interrompido. A suspeita é de que a origem do fogo foi criminosa.

Segundo o sargento Giovani Duarte, responsável pelo departamento de comunicação do 2º Pelotão do Corpo de Bombeiros, além dos danos ambientais e dos problemas respiratórios causados às populações que vivem próximo às áreas incendiadas, as queimadas reduzem a segurança no trânsito, uma vez que a fumaça prejudica a visibilidade dos motoristas, aumentando o risco de colisões.

O militar ainda lembrou que iniciar uma queimada de forma intencional é crime e pode gerar pena de até quatro anos de reclusão e multa. De acordo com o artigo 54 da Lei de Crimes Ambientais, a prática é criminosa por poluir na forma de fumaça, além de causar riscos para habitantes, destruir a vegetação e causar a morte de animais. A pena é válida tanto para grandes queimadas para desmatamento quanto para pequenos atos, como atear fogo em lixo doméstico ou em folhas no quintal. A denúncia pode ser feita para a Polícia Militar ou ao Corpo de Bombeiros.

Conforme dados divulgados pelo pelotão, os bombeiros realizaram 33 operações relacionadas a incêndio em Paraíso, sendo que 21 delas foram em lotes vagos, nove em pastagens na zona rural, uma em um aglomerado de lixo doméstico e dois em automóveis.