Destaques Polícia

Passos teve 49 denúncias de abuso sexual contra menores em 2019

Por Ézio Santos / Especial

19 de Maio de 2020

Foto: Divulgação (Agência Brasil)

PASSOS – No Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, 18 de maio, as denúncias sobre atos criminosos registrados pelo Conselho Tutelar da Criança e do Adolescente (Ctca) de Passos são consideradas assustadoras pela presidente do órgão, Tatiane Galdino. Outras autoridades relacionadas ao assunto comungam com a mesma afirmação. Em 2019, foram 49 denúncias de abuso.

Estou na função há pouco mais de um mês e a nossa demanda sobre os crimes de abuso e exploração sexual contra menores de 18 anos em nossa cidade é altíssima, e não para por aí. Recebemos denúncias de familiares das vítimas, Polícia Militar que atendem as ocorrências envolvendo menores de idade e da Delegacia de Polícia Civil, onde também são registradas queixas. Realmente é assustador o elevado número de casos desta natureza”, afirmou a presidente.

Tatiane revelou que a maioria das notificações que chegam ao Ctca de Passos é gerado um ofício para outros órgãos, que dão prosseguimentos às investigações e aconselhamentos. São eles: Centro de Referência Especializadas de Assistência Social (Creas), Centro de Referência em Assistência Social (Cras), Delegacia Especializada ao Atendimento à Mulher (Deam), Centro de Referência e Atendimento à Mulher (Cramp), Polícia Civil, Ministério Público (MP) e Poder Judiciário, através do promotor e juiz de Justiça da Infância e Juventude, Éder Capute e Mateus Queiroz de Oliveira, respectivamente.

Como em todo o Brasil, em Passos os crimes contra crianças e adolescentes são relevantes. É uma situação bem complexa que para diminuir o número de registros os pais têm que entrar em ação e ficarem atentos. Não só no aconselhamento junto aos filhos, mas de olho no que eles fazem e algum tipo de alteração de comportamento diário deles. Até mesmo na escola, os professores podem perfeitamente fazer a mesma coisa. É preciso mais diálogo para chegar ao ponto das vítimas se abrirem quanto à violência sofrida. Sobre abusos e violência sofridas elas falam a verdade que muitos pais duvidam. Geralmente, o agressor ou aquele que comete o crime é conhecido da vítima ou dos familiares dela”, ressaltou Capute.

A Assistente Social do Creas Rosely de Melo Grillo também confidenciou que é aberrante a quantidade de demanda relacionada à agressão e abuso contra crianças e adolescentes que chega no órgão municipal por semana.

É assustador o número de casos que chegam ao nosso conhecimento. A partir daí nosso trabalho é oferecer total apoio e atendimento às vítimas, bem como aos familiares mais próximos. Temos como parceiros o Cras, Deam, Cramp, MP, PJ e as polícias Civil e Militar na solução dos problemas, e consequente punição aos abusadores”, frisou.