Destaques Polícia

Número de homicídios cai 16,9% no primeiro trimestre em Minas

13 de abril de 2021

Foto: Divulgação

BELO HORIZONTE – O número de vítimas de homicídio teve queda de 16,9% em Minas Gerais no primeiro trimestre de 2021 em comparação com o mesmo período do ano passado. Segundo informações do governo estadual, foram 129 ocorrências a menos. No total, o governo estadual registrou 635 vítimas de janeiro a março deste ano, contra 764 em igual período de 2020.

A redução foi registrada em 15 das 19 Regiões Integradas de Segurança Pública (Risps). Em todo o estado, destaque para as quedas nas regiões de Curvelo, Patos de Minas  e Poços de Caldas, onde o número de vítimas caiu mais da metade: -75,7% na 14ª Risp, com sede em Curvelo; -61,9% na 10ª Risp, com sede em Patos de Minas; e -54,6% na 18ª Risp, com sede em Poços de Caldas. As regiões de Uberaba, Lavras, Sete Lagoas e Vespasiano também apresentaram reduções significativas.

Importante indicador da criminalidade e um dos menos afetados pelo contexto de distanciamento social, o número de vítimas de homicídios consumados também teve queda na capital: em Belo Horizonte a redução foi de 29,4%. Levando em conta todos os municípios mineiros, 710 municípios (o equivalente a 83,2% do total) não registraram homicídios, mantiveram ou reduziram os índices na comparação com o mesmo período de 2020.

O levantamento, compilado pelo Observatório de Segurança Pública, foi divulgado nesta segunda-feira, 12, pela Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), que publica, mensalmente em seu site, os índices de criminalidade dos 853 municípios mineiros.


Perfil das vítimas

Homens pardos e negros, com faixa etária entre 35 e 64 anos, concentram a maior parte das vítimas de homicídios em Minas Gerais em 2021. No recorte por sexo, entre as 635 pessoas assassinadas no primeiro trimestre deste ano, 581, o equivalente a 91,5%, eram do sexo masculino e 54 (8,5%) do sexo feminino. Segundo a Sejusp, foram 312 pessoas pardas (49,1%), 125 negras (19,7%) e 109 brancas (17,2%) — o restante se divide entre albinos, amarelos ou não identificados.