Destaques Polícia

Homem está desaparecido há um ano e quatro meses

25 de junho de 2020

Foto: Site EBC

PASSOS – O desaparecimento de um homem de 46 anos, em fevereiro de 2019, tem causado preocupação à equipe de investigadores da 3ª Delegacia Regional da Polícia Civil (DRPC) de Passos, responsável pelo caso. Um dos motivos revelados pelo delegado dos setores de crimes contra a vida e de drogas, Danilo Gustavo Silva Costa, é que um ano e quatro meses após o sumiço e ininterruptos trabalhos de investigação, nenhuma pista relacionada ao crime foi encontrada.

Chega até ser misterioso o caso. Numa madrugada ele foi retirado à força de seu apartamento situado no Condomínio Habitacional Astério de Assis Lemos, localizado na região das Cohab’s IV e V, em Passos sem que ninguém tivesse visto. Só ficou para trás o par de sandálias desse rapaz que era divorciado e morava a sós”, explicou Danilo.

A pedido da família, que atualmente reside em Fortaleza de Minas, o nome, características físicas e outros dados pessoais do desaparecido o delegado não pôde revelar à reportagem.

Nos meses após a queixa dos familiares, o trabalho de investigação foi bastante intenso, mas não deparamos com nenhuma pista que pudesse encontrá-lo vivo, mas a hipótese mais evidente é que ele esteja morto, porém não podemos afirmar e nem colocarmos um ponto final na tentativa de localizá-lo”, finalizou.

Jovem

Lorruama Nogueira dos Reis, de 22 anos, que nos últimos dias teve sua foto circulando nas redes sociais como desaparecida, foi localizada na última terça-feira, 23, em uma residência no Parque São Francisco, em São Sebastião do Paraíso. Filha de Vandoir e Isaurina, a jovem é solteira e tem dois filhos, informou sua irmã Luana Nogueira dos Reis, de 19 anos que mora na rua das Cerejas, no Parque Tropical, em Passos, com mais três irmãos.
“Nós recebemos o telefonema de alguém da Polícia Civil dizendo que minha irmã estaria em uma casa da rua Antônio Caetano da Silva, mas nos informou apenas o número do imóvel. Estranho é que não sabemos onde fica a residência e nem conhecemos ninguém em Paraíso. Estamos tentando falar com minha irmã ou dar um jeito de ir buscá-la”, lamentou Luana.