Destaques Polícia

Homem é preso por desacato após ameaças em Piumhi

Por Laura Oliveira Hostalácio / Folha da Manhã com Onda Oeste FM

19 de março de 2021

Foto: Divulgação

PIUMHI – Nesta quinta-feira, 18, um homem de 51 anos foi preso em Piumhi, acusado de ter ameaçado de morte o prefeito da cidade, Paulo César Vaz em vídeos publicados nas redes sociais. Nos vídeos, o homem teria dito que “todos vão morrer” e teria ameaçado de colocar veneno de rato no sistema de água do município. Ele foi preso por desacato feito aos policiais.

Segundo os vídeos divulgados e informações da Polícia Militar, o piumhiense estaria indignado com o decreto nº 4.965, publicado nesta quarta-feira, 17, que prevê o fechamento do comércio não essencial seguindo as determinações da Onda Roxa do Programa Minas Consciente. Nos vídeos, o homem também teria insinuado um possível desvio de dinheiro por parte do prefeito.

O advogado do prefeito, Junio Balduíno Gonçalves compareceu na 110ª Cia da Polícia Militar, com uma procuração em mãos que concedia direito de agir em nome de Paulo Vaz, além de um dos vídeos em que o homem teria ameaçado de morte. Com essas informações, a Polícia Militar saiu em rastreamento, conseguindo localizar o autor em via pública.

Conforme a PM, ao ser indagado e avisado que iria ser conduzido à sede da polícia para o registro da ocorrência, o homem, “bastante agitado, partiu em direção a um dos policiais, que precisaram usar de força física e moderada para conter sua resistência”, informou a polícia. Ele foi algemado e conduzido pelos militares. Devido à resistência, o supeito sofreu escoriações leves na perna e joelho direito, sendo encaminhado e atendido no Pronto Socorro. Em seguida o autor foi encaminhado à Polícia Judiciária.

Em virtude do histórico de comportamentos questionáveis do homem em suas redes sociais, a opinião pública sobre o caso é controversa, visto que existem alegações de que o indivíduo sofreria de doença mental. Na justiça, entretanto, o crime de ameaça é previsto no artigo 147 do Código Penal, e ainda não foram encontrados documentos periciais que comprovem insanidade do sujeito ou qualquer laudo psiquiátrico.

O advogado Junio Balduíno Gonçalves explicou à reportagem que, com relação à denúncia inicial, que é de ameaça, o responsável deverá responder judicialmente pela prática de crime de ameaça e civilmente por dano moral contra a imagem do chefe do Executivo. Dr. Paulo, como é conhecido, preferiu não dar depoimento neste momento.