Destaques Polícia

Conselho contesta churrasco de André Marques na Canastra

Por Adriana Dias / Redação

24 de março de 2021

O local das imagens é reconhecido por especialistas como de ocorrência do pato-mergulhão (Mergus octocetaceus), espécie rara e criticamente ameaçada de extinção. / Foto: Divulgação

PASSOS – Os membros do Conselho Consultivo do Parque Nacional da Serra da Canastra divulgaram nesta terça-feira, 23, uma nota emitindo preocupação com relação a cenas de um churrasco dentro de leito de rio na região da Serra da Canastra, protagonizado pelo artista global André Marques. O local das imagens é reconhecido por especialistas como de ocorrência do pato-mergulhão (Mergus octocetaceus), espécie rara e criticamente ameaçada de extinção.


Você também pode gostar de: Ranking de produtores de leite tem 7 da região entre os maiores

Ainda que o local do churrasco seja propriedade particular e esteja fora dos limites do Parque Nacional da Serra da Canastra, o Conselho Consultivo do Parque vê com preocupação este tipo de atitude, especialmente quando associada a uma figura pública com grande engajamento social, cuja responsabilidade entendemos deve ser proporcional à sua projeção. Os potenciais impactos ambientais que este tipo de conduta pode acarretar são variados, como a contaminação de cursos d’agua, incêndios e perturbação da fauna”, relataram na nota.

De acordo com os consultores, o fato demonstra que sempre se deve ter muito cuidado e atenção com as atitudes e condutas quando em meio a ambientes naturais preservados, para não causar danos ou impactos à biodiversidade e aos nossos preciosos recursos naturais, especialmente na região da Serra da Canastra, conhecida nacionalmente pelos seus belos atrativos naturais e seus rios e cachoeiras de águas cristalinas.

Por tudo isso o Conselho Consultivo do Parque Nacional da Serra da Canastra vem por meio desta nota recomendar às pessoas que não sigam ou adotem este tipo de atitude quando em meio a ambientes naturais”, finalizaram.

Em suas redes sociais, André Marques se defendeu após receber várias críticas de internautas.

Tive o cuidado de me informar antes. Estava o tempo todo acompanhado de dois guias do parque, tomando todos os cuidados necessários. Na saída, limpamos tudo, como faço sempre quando estou em um local público. Usamos tacho, não teve fogo no chão”, afirmou em seu perfil.

André frisou que o dono da propriedade estava presente e que tomou todas as precauções.

O riacho está dentro de uma propriedade particular, é passagem de carros e carros de boi desde 1880 e o dono não apenas autorizou, mas acompanhou tudo. Sou amante da natureza e faço sempre tudo com total cuidado e respeito pela natureza”.