Destaques Polícia

Acidentes de trânsito têm queda de 28% em Passos

30 de novembro de 2020

A queda na quantidade de acidentes também foi vista em âmbito nacional – o Detran registrou uma diminuição de 32% nas ocorrências. / Foto: Divulgação

PASSOS – Os acidentes de trânsito registrados em Passos tiveram queda de 28,21%, conforme aponta o levantamento desenvolvido com base nos dados da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública de Minas Gerais (Sejusp-MG). A pesquisa mostra que, de janeiro a setembro deste ano, foram 799 ocorrências, enquanto no mesmo período de 2019, o número chegou a 1.113.

Para a realização do relatório, os acidentes com motocicletas foram separados dos que envolveram outros tipos de automóveis, embora diferentes veículos possam se envolver no mesmo acidente. Deste modo, na primeira categoria foram 290 ocorrências – 238 com vítimas e 52 sem. Na segunda, o total foi de 509 – 182 com vítimas e 327 sem. De acordo com o tenente da Polícia Militar Rodoviária, Fábio José Oliveira Maia, colisões e capotamentos são os acidentes que ocorrem com mais frequência.

A principal causa que leva a este tipo de problema é, principalmente, a falta de atenção dos motoristas. Além disso, muitos não respeitam as sinalizações e excedem o limite de velocidade permitido nas vias, o que pode trazer graves consequências e até ser fatal”, disse.

Maia ainda destaca os principais cuidados que devem ser tomados no trânsito, que foram estabelecidos pelo Departamento de Trânsito (Detran).

Não apenas os motoristas, mas também os passageiros devem seguir todas as medidas e normas. É fundamental que nunca deixem de utilizar o cinto de segurança, realizar a vistoria e manutenção preventiva dos veículos, e, especialmente em locais mais escuros ou à noite, não esquecer do sistema de iluminação. Acima de tudo, todos devem dirigir com muita atenção e responsabilidade”, completou o militar.

A queda na quantidade de acidentes também foi vista em âmbito nacional – o Detran registrou uma diminuição de 32% nas ocorrências. O órgão explica que o decréscimo passou a ser expressivo no mês de março, quando foram adotadas as medidas de isolamento social para conter a disseminação do novo coronavírus, já que poucas pessoas transitavam pelas ruas. A maior diferença foi registrada em abril, com diminuição de 70% nos casos.