Opinião

Qual é a do senhor Jair?

POR ESDRAS AZARIAS DE CAMPOS

29 de Maio de 2021

Todos sabem que os presidentes da República nem bem tomam assento na cadeira presidencial só pensam naquilo. Ou seja, já no primeiro dia de governo e começam a projetar a reeleição. Faz parte! E o senhor Jair Bolsonaro não é exceção e até confirma a regra, pois começou a campanha para reeleição no dia seguinte da sua vitória em 2018. Desde então nunca parou, apenas vai mudando as estratégias e as ações adequando o seu discurso em conformidade com cada fase ou momento político e conforme os seus episódios de humor bastante variados. Como não sou da área da psiquiatria não tenho nenhuma autoridade para designar se o Bolsonaro sofre de alguma patologia psíquica grave? Portanto, dá apenas para julgá-lo pelo seu comportamento público que pode ser natural e neste caso então teria algum transtorno mental. Ou então é um comportamento estudado, pensado ou orientado propositalmente para criar “tipo” e assim alcançar seus objetivos, entre os quais o mais cobiçado a cada dia mais evidente um auto golpe. Não obstante, tantas dúvidas pairavam sobre a personalidade do senhor Jair Bolsonaro, uma vez que durante seus 28 anos de parlamentar foi um quase obscuro deputado do baixo clero na Câmara Federal. Hoje, no entanto, psicólogos, psiquiatras e afins, incluindo leigos, pois como diz o ditado antigo que “brasileiro de médico e louco cada um tem um pouco”, apresentam pareceres sobre Bolsonaro. Vai daí, dessa nossa capacidade de entender de tudo um pouco é de onde surgem os diagnósticos sobre a condição mental do senhor Jair pelo país afora. Vejam que os prognósticos são de arrepiar: BIPOLAR, devido suas instabilidades emocionais, pois sempre alterna o comportamento de extrovertido para impulsivo diante de uma pergunta vinda de um repórter e se for uma repórter aí ele vira bicho; TOC – por estar com comportamentos exagerados em relação a coisas simples ou complexas do cotidiano, como por exemplo, insistir a todo o momento no uso da Cloroquina para cura da Covid/19; ESQUIZOFRENIA, os sinais mais evidentes desse mal são os distúrbios da linguagem e a desorganização do pensamento. No grau mais avançado afeta a percepção da realidade e altera a expressão do pensamento, neste grau o Bolsonaro já comparou a pandemia a uma gripezinha. Enfim, as comorbidades psíquicas provocam sintomas que reais ou fingidos demonstram falta de empatia, ausência de compaixão, fanatismo e messianismo. Desde que assumiu a presidência que o senhor Jair demonstra clara e objetivamente em excesso ao expressar tais sintomas. E o primeiro deles, o messianismo, talvez por causa do seu sobrenome, ou quem sabe o Jair se acha mesmo um mito? Evidente também a falta de empatia e ausência de compaixão do senhor Jair para com as 450 mil famílias que perderam seus entes queridos para a Covid/19. E para completar esta análise, o Bolsonaro pratica um fanatismo de primeira linha da extrema direita. Aliás, os extremismos ideológicos são calcados no fanatismo e o fanático tipo Bolsonaro necessita ter seguidores também fanáticos. E não há outro caminho em manter seus seguidores fiéis, senão o seu líder (fuhrer em alemão) manter a linguagem do ódio às instituições e a tudo e todos que consideram inimigos. Para Bolsonaro e seus fiéis, na política não existe adversário ou opositor, mas inimigo. Nem que seja um inimigo imaginário com nome definido, comunista. Dos “cercadinhos” do palácio da Alvorada às constantes aglomerações públicas incentivadas por Bolsonaro estavam perdendo sentido, aí ele mudou a estratégia. Mudou ao pressentir que a sua meta da reeleição em 2022 está dando água diante de novos fatos, como a absurda expansão da pandemia, Lula subindo nas pesquisas, a movimentação dos políticos de oposição em busca de um candidato como alternativa ou terceira via e finalmente a CPI. Então, o senhor Jair agora partiu para acelerar o seu populismo copiado de alguns líderes do passado europeu lá dos anos 1920 a 1930! Senão vejamos: organização de grandes concentrações (aglomeração em plena pandemia), mas agora com a sua presença montando cavalo ou em uma moto com o Véio da Havan na garupa. Diante desse escabroso cenário de dantesca anomalia social e política a que este governo está jogando o país, surge uma pergunta instigante. Qual é o verdadeiro e real propósito do senhor Jair Bolsonaro? Reeleição fica em segundo plano. Agora o que interessa é incitar os seus fanáticos seguidores a usar dos direitos democráticos para jogar o país na aventura da ditadura. E isto é sério e perigoso!

ESDRAS AZARIAS DE CAMPOS é Professor de História