Do Leitor

STF- impeachment

26 de julho de 2021

Segundo a Ministra Carmem Lúcia, a decisão de instaurar o impeachment teria como critério a conveniência e oportunidade do ato. Ocorre que o Estado, pela autoridade, tem o dever de dar resposta a qualquer requerimento que lhe dirija o administrado; no contraponto, um direito desse. Assim, entendo que a decisão do STF deveria ser no sentido de que fosse despachado pelo Presidente da Câmara o requerimento de abertura do procedimento, para que, em decisão fundamentada em conveniência e oportunidade, o defira ou não.

Na interpretação do Tribunal, os mais de uma centena de requerimentos se tornam um nada; meros registros no protocolo. Na prática, pode-se concluir que já está decidido que não há conveniência e nem oportunidade na instauração do procedimento.

Raul Moreira Pinto – Passos/MG

Eleições e conchavos

As eleições de 2022 já estão na boca do povo. Já dá para notar que o eleitorado aguarda ansioso para dizer não àqueles que foram eleitos mentindo descaradamente na campanha eleitoral de 2018. A velha política não foi banida, os conchavos espúrios continuam e o povo, como sempre, segue comendo o pão que o diabo amassou. Os enganadores vão pagar caro. Nada mudou.

O Brasil tem hoje aproximadamente 15 milhões de desempregados, 9% da população passando fome e os denominados representantes do povo fazem do Brasil ‘boi de piranha’. Vejam só a pouca vergonha do fundo partidário aprovado pelo Congresso na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2022. É o tal põe no bojo, se colar, colou. E tem os caras deslavadas que, agora, depois da repercussão negativa, fazem cara de espanto e concordam que foi uma afronta aos brasileiros. Espanto e concordância ‘de araque’.

Nós eleitores precisamos escolher, é muito difícil, mas é possível, políticos diferentes desses que estão aí fazendo de conta que representam o povo. Está sobrando cinismo. Está faltando hombridade. Há o predomínio da mentira. Há eliminação da verdade.

Jeovah Ferreira – Taquari/DF