Do Leitor

Onda roxa

19 de março de 2021

Esta semana, o governador Romeu Zema declarou, em acordo com sua equipe e vários prefeitos, que todos os municípios de Minas Gerais entrarão na zona roxa das medidas contra a pandemia do coronavírus.

Essa decisão valerá até mesmo para cidades que não estavam anteriormente dentro do acordo, como Belo Horizonte, e demonstra que a situação está realmente mais preocupante do que nunca, pior até mesmo que no início da pandemia, quando tivemos um lockdown mais intenso, ainda que não ideal. Apesar dos problemas que o lockdown ocasiona, essa ainda é a medida mais eficaz contra o espalhamento do vírus, e por isso precisa ser tomada.

Eduardo Martins – Belo Horizonte/MG


Alternativa ao caos

Está claro que mais de 30% da população está farta dos extremos e, se surgir um nome de respeito com potencial eleitoral, o Brasil pode se livrar da ameaça que paira sobre nós: Bolsonaro ou Lula. A questão é como conseguir isso. No meu entender, bem possivelmente muito ingênuo, sugiro que: primeiro, seja feito um pacto entre todos os partidos, do centro esquerda ao centro direita, para viabilizar uma única candidatura.

Segundo, todos esses partidos levariam ao público, para debate, dentro de uma regra estabelecida, seus candidatos e suas propostas e aquelas candidaturas mais bem situadas nas pesquisas seriam apoiadas por todos os partidos. Seria um plebiscito que traria o foco de atenção da população sobre algo sério e importante para todos.

Que levaria o País, novamente, a pensar e projetar o seu futuro, em vez de só comentar e lamentar as tragédias que têm caído sobre nós. Naturalmente, a mídia deixaria o “samba de uma nota só” (ou seria Desafinado?) para tratar de projetos e ideias estruturantes e, com certeza, daria ampla cobertura às discussões, propostas e perfis dos candidatos. Seria um movimento cívico, que resgataria a credibilidade da política e a confiança na democracia.

Ruy Salgado – Ribeirão Preto/SP


Basta

Nem Lula nem Bolsonaro! O Brasil precisa de estadistas, e não de demagogos e oportunistas. O povo não pode continuar se enganando.

José Paulo Cipullo – São José do Rio Preto/SP