Do Leitor

O sagrado pão da vida

15 de junho de 2021

Cesta básica (Sim) <–> Coroa de flores (Não)
Complementando matéria publicada pela Adriana Dias na Folha da Manhã do dia 09/06/21, em nome da Família aqui externo elevada Gratidão a todos Familiares e Amigos que contribuíram na arrecadação de mais de 60 Cestas Básicas em Passos, São Paulo, Campinas, Santo André, Curitiba, Lavras, Belo Horizonte e Itapira, concretizando o desejo da prima MARIA DAS GRAÇAS GARCIA FREITAS, vítima de Covid-19.

Desde há muito, sempre que ia a velórios de amigos ou parentes, acompanhada de sua irmã, fazia o mesmo pedido: “Se eu morrer antes de você não deixe que comprem Coroas de Flores. Meu desejo é que sejam doadas Cestas Básicas para famílias carentes que passam fome e preservar o meio ambiente.”

GRAÇA era católica muito religiosa e caridosa, achava um verdadeiro desperdício de dinheiro com flores para durar poucas horas e virar lixo agredindo o meio ambiente, esse dinheiro sendo usado na montagem de CESTA BÁSICA, muitas famílias que passam fome seriam alimentadas; agora mais ainda diante da triste realidade mundial da Pandemia com tanta gente ficando ser recursos de comprar alimento ao perder o emprego.

Gesto de amor e humanidade; lindo exemplo de altruísmo mesmo no momento de dor extrema, ainda assim pensar em fazer o bem. Bom exemplo para expandir, ser colocado em pratica e beneficiar pessoas carentes do “pão nosso de cada dia”. Que a realidade aqui expressa seja uma semente e que essa única semente, germine no menor espaço de tempo e se transforme numa frondosa arvore sempre carregada de frutos do grandioso desejo concretizado. Pois é disso que o mundo precisa e Deus agradece.

GRAÇA seu desejo foi cumprido e estamos certos de que todos os grãos e demais componentes de cada Cesta Básica foram abençoados pelas mãos de Deus e nas suas mãos também, em forma de Flores que vai perfumar eternamente a sua vida espiritual.
GRAÇA deixa esposo, filhas, genros, netos, uma irmã, sobrinhos, vários primos e duas tias.

Urias Garcia (Primo-Irmão) – Passos/MG

Mais do mesmo

Nos tempos de Lula tínhamos o “nós contra eles”, agora com Bolsonaro temos o “eles contra nós”. Como dá para perceber a velha troca de seis por meia dúzia.

Luiz Frid – São Paulo/SP