Do Leitor

Mal com U

2 de setembro de 2021

Do achamento do país às capitanias hereditárias, delas ao Sarney, a queda da Dilma e a ascensão e a tragédia do capitão desgraçado. A direita é isso.

O que chamam de direita no Brasil; e até no mundo, é a turma que aceita a dor do outro e que sempre achou normal a pobreza, a miséria, o preconceito; que conviveu e que convive bem com as vantagens que sempre tiveram; ‘naturalmente’. E as aumentaram absurdamente e querem que continue assim. E que aumentem.
Nunca tá bom.

A esquerda brasileira, a que governou o país é, na verdade, liberal. É ainda uma direita de nascença só que evoluída. Mostrou isso. É apenas pautada na construção política e popular da soberania sócio econômica inclusiva no e do próprio país, mas é liberal.

A direita, se tivesse evoluído, o que significa se tivessem se humanizado e ampliado os seus horizontes humanos, coisa que não fizeram; veria que, no Brasil, por ter sido achado pela direita em 1500, só tem esquerda pra votar. Ela é a evolução.

A direita evoluída seria esquerda e faria coisas de esquerda; tanto que as coisas boas que fazem são de esquerda e a esquerda seria, então, esquerda. Seria a esquerda temida que no mundo nem sei se existe.
A direita é o centrão da guerra. O miolo do mau, o Bolsonaro.

Renato Piantino – Passos/MG E-mail: [email protected]

Bancos e crimes

Em vez de ficar discutindo rascunho, carta, versão e manifesto, a Febraban deveria divulgar: quantos ataques a cidades ocorreram desde 2018; a distribuição mês a mês e por unidade federativa; quantas agências bancárias foram explodidas; qual a porcentagem de bancos públicos e se havia ou não coincidência de uma grande quantidade de dinheiro; qual a porcentagem de instalações bancárias com paredes finas e espelhadas, pois é mais fácil explodir vidro; qual o valor roubado em bilhões de reais em milhares de assaltos a banco de madrugada por todo o Brasil; qual o plano de segurança para modificar todas as agências de todo o País. Caso contrário, será necessário criar um consórcio de meios de comunicação para divulgar todos os dados citados e incluir mortos e feridos em todas as ações criminosas.

Luiz Roberto da Costa – Campinas/SP