Do Leitor

Leitos de UTI

11 de Maio de 2021

Recentemente, surgiu uma discussão sobre a redução de leitos de UTI na Santa Casa. Digladiam-se um representante do comércio e um médico; entretanto, pareceu-me infeliz a argumentação do primeiro. Sustenta ele, sem peias, que a diminuição de leitos acarretaria restrições ao comércio, sem qualquer referência ao agravamento da situação, fato que poderia gerar falta de atendimento e mortes. Tão grave foi o fato de estimular a desobediência civil, induzindo seus pares a não acatar ordem de eventual fechamento do comércio ou restrição à atividade; aquele ato, em tese, configura crime.
As leis não são boas ou más, maiores ou menores; são elas simplesmente leis e devem ser cumpridas. Seriam boas as que me beneficiam e ruins as que não me dão vantagens? Se afrontam regulamentação superior ou princípios e regras constitucionais, o caminho para não se submeter a elas é o Judiciário. Há, no Brasil, uma tendência, estimulada até por autoridades superiores, de  descumprir normas legais que desagradam a seus destinatários, o que pode  ter consequências terríveis, principalmente, na fragilização da democracia, essa decorrente da desmoralização das instituições públicas.
Raul Moreira Pinto – Passos/MG

Fundo e o Censo

O coronavírus bagunçou o coreto. Os gastos são enormes e a dívida pública beira 100% do PIB. É voz corrente que o Censo é de suma importância em 2021, inclusive exigido pelo STF, mas por falta de recursos não será realizado. A grita é geral. Sugeri a extinção dos desperdícios com os fundos político e partidário, mas como existe o recurso dos fundos para 2021, que ele seja totalmente disponibilizado para efetuar o Censo. É matar dois coelhos com uma só cajadada: fim dos desperdícios com os fundos e o Censo facilitará as diretrizes dos recursos disponíveis. Certamente nossos patriotas legisladores, em benefício do Brasil, não se oporão, será unânime a votação para extinção dos fundos.
Humberto Schuwartz Soares – Vila Velha/ES