Do Leitor

Governadores e prefeitos

18 de março de 2021

As mortes e ocupação de leitos de UTI nos hospitais aumentam exponencialmente. Os governos estadual e municipal a quem cabe a responsabilidade pelo atendimento direto à população estão desnorteados. Associaram-se para comprar vacinas e tomar medidas comuns, mas muitas dessas medidas dependem da atuação da União.

O governo federal, que sempre foi contra as medidas de restrição, acha que dar dinheiro para instalação de UTIs e celebrar contratos de compra de vacinas, sobre cuja entrega só Deus (e a China) sabe, exaure suas obrigações na pandemia; não oferece nenhuma solução para a desgraça atual. Desesperados, os administradores correm para o Congresso; ali os presidentes das duas Casas legislativas são contra o tal do lockdown, mas dizem que cabe a eles, governantes locais, adotar as medidas que entenderem. Também não oferecem solução.

Nunca vi tantos Pôncios Pilatos na minha já longa vida. Todos os políticos querem ficar bem na fita. São a favor da economia e contra as mortes, mas não querem medidas que prejudiquem aquela, ainda que diminuam essas. E cai tudo no colo dos administradores locais. “Não sou competente, não posso invadir áreas de atuação do Executivo, há a autonomia dos estados federados, não tenho culpa”, Tais autoridades não são responsáveis por nada que se venha a fazer ou acontecer.

A redução das mortes decorrente das restrições é como os esgotos sanitários: ficam sob o solo; ninguém vê e não dão votos; mas o sucesso da economia é diferente. Estão sós os governadores e prefeitos; a covardia e insensibilidade imperam em Poderes da República. Se não fosse a intervenção do Judiciário, criticável ou não, certamente estaríamos em situação muito pior, com os vírus sobrevoando nossas cabeças.

Raul Moreira Pinto – Passos/MG


Fora da caixa

Como eleitores, é hora de pensar fora da caixa. Chega de Lula, chega de Bolsonaro! Já conhecemos a lamentável trajetória política dos dois. Apoiemos outro candidato, precisamos de uma terceira via para dar nova perspectiva ao Brasil e deixar todo esse atraso para trás!

Ligia Burani – São Paulo/SP