Do Leitor

Em tempos de covid

7 de abril de 2021

Pelo segundo ano consecutivo as comemorações religiosas que envolvem a “paixão e morte de Cristo”, culminando com a celebração da Páscoa, foi vivenciado de uma forma atípica. Geralmente, a data fomenta o encontro das famílias e dos amigos para momentos festivos e reflexivos. Para muitos marca o fim do tempo da penitência, do jejum, estimulado pelo período quaresmal.

No domingo de páscoa é comum grupos se reunirem em torno da mesa, que comumente é preparada pela matriarca ou ficarem envoltos em uma churrasqueira para festejar. Nesse dia, a conversa e/ou os causos são colocados em dia, acontece o encontro de pessoas que comumente no cotidiano da vida nem sempre estão presentes. Mas esse também é uma das essências das datas comemorativas: aproximar pessoas.

Mas, a covid trouxe a experiência de novos tempos. Fomentou a necessidade de cada um de nós buscarmos, em nosso íntimo, as motivações para continuarmos brindando a vida. Até então era “eu com os outros” e, diga-se de passagem, muitos outros, o maior exemplo seria a festas de sábado de aleluia, que reunia centenas de pessoas e festas por vários pontos das cidades; agora, o tempo é outro, sou “eu comigo mesmo”, ou “eu com meu núcleo familiar”, núcleo esse que já não é tão numeroso como em outros tempos.

Mas apesar de tudo que a covid tem nos provocando, o espírito da páscoa continua presente e, mais do que nunca, nos convocando para que a vida continue vencendo a morte. Vivemos tempos nebulosos, tempos de perdas, tempos de sofrimento, tempos de morte, mas essa é a grande questão que a páscoa nos remete: acreditar que existem novos tempos.

Se vivemos durante muitos anos as festividades pascoais, como já mencionado no início desse texto, agora a humanidade está vivendo a verdadeira essência da Páscoa. Estamos enfrentando o nosso calvário humanitário, com sofrimento e perdas irreparáveis. Mas não podemos sucumbir, temos que encontrar o nosso caminho da ressureição, que passa pelo enfrentamento da morte, que no nosso caso é essa terrível doença e todas as suas mazelas.

Mesmo oficialmente, a Páscoa sendo comemorada no último domingo, provavelmente estejamos vivendo, coletivamente, nossa quaresma, o nosso período de jejuns coletivos: longe de amigos, familiares, festas, encontros. Estamos vivendo nossa “penitência” de forma isolada, ou com poucos, o que faz com que encontremos com nós mesmos.

A vida segue seu fluxo, e os desafios que ela proporciona também e mesmo sendo uma páscoa aparentemente diferente, talvez nas últimas décadas ela tenha sido uma das mais verdadeiras, por nos provocar a refletir sobre a sua verdadeira importância. Afinal, a vida precisa vencer a morte!

Walber Gonçalves de Souza – Caratinga/MG