Do Leitor

Dona Luzia e Sr. Francisco

9 de julho de 2021

Ao ler o jornal Folha da Manhã no dia 20 de maio, deparei-me com um artigo sobre Dona Luzia Pereira, escrito por sua neta Patricia Pereira. Durante a leitura, na altura de meus 90 anos, a emoção tornou conta, trazendo-me lágrimas nos olhos, ao lembrar do passado. Dona Luzia dizia sempre que me pajeou, Iá pelos idos de 1930, ano de meu nascimento. Naquela época, meus pais moravam em Fortaleza de Minas e Dona Luzia também, onde começou a amizade entre as duas senhoras.

Aos meus 5 anos, mudamos para Passos, residindo na rua Bom Sucesso, em casa que foi de meu bisavô, Manuel Caetano de Souza, português vindo das Ihas Canárias. Coincidentemente Chico Tacheiro (Francisco Esketine Pereira) e Dona Luzia também se mudaram, estabelecendo residência próxima a nossa casa, quando recomeçou a amizade das duas famílias. E não pensavam que hoje Marcos Pimenta e Paula Gabriela, netos de Dona Luzia e Natalina (minha mãe) se uniriam em matrimônio, solidificando a velha amizade.

Dona Luzia era dotada de um coração cheio de amor, capacidade de servir, sensível aos problemas da vizinhança. Na doença estava sempre presente, levando deliciosas sopas e variadas quitandinhas que ela mesma fazia. Quanta as suas famosas pamonhas, tenho o privilégio de mencionar que as primeiras eram para mim.

No tempo em que mantinha o Armazém, todas as manhãs Dona Luzia fazia suas compras e batíamos um agradável e longo papo.
Em sua enfermidade, estava sempre presente, levando ânimo, consolo e reconhecimento. Com certeza, Dona Luzia hoje se encontra na casa do Pai, pois viveu segundo os ensinamentos de Jesus, servindo e doando amor a todos que com ela conviviam. Com saudades, minha homenagem e gratidão à família Chico Tacheiro e Dona Luzia, exemplo de vida a ser seguido.

João Alves de Souza – Passos/MG


Ministro do STF

O cargo de ministro do STF não deveria ser ocupado pelo nome indicado pelo presidente da República. Essa é uma situação inadequada. Fica a impressão de que o indicado vai atuar defendendo interesses corporativos.

Uriel Villas Boas – São Paulo/SP