Do Leitor

A vida como ela é

17 de abril de 2021

A vida é implacável, não tem jeito de mudar sua trajetória, sem querer de fato compreende-la. Cada dia é um novo dia! Charles Spenser Chaplin, editor e músico britânico, afirmava que a vida é maravilhosa se não se tem medo dela e recomendava: Falar sem aspas, amar sem interrogação, sonhar sem reticências, viver sem ponto final. A vida é bela.

A vida é boa. Mas, a verdade é que algumas pessoas vivem correndo atrás do tempo, mas só parecem que o alcançam quando morrem enfartados, ou algo assim. Para alguns o tempo demora a passar; ficam ansiosos e se esquecem de viver o presente, que por sinal é o único tempo que faz sentido. Tempo todo mundo tem… E é igual para todos.

Ninguém tem menos que vinte e quatro horas por dia. Verdade, não é? A diferença é que cada um faz seu tempo e será necessário saber aproveitar cada momento… Um dia, o cantor, compositor e ativista da paz britânico que co-fundou os Beatles, John Lennon disse: “A vida é aquilo que acontece enquanto fazemos planos para o futuro”. Pense nisso!

Algumas mensagens foram extraídas do ‘icônico’ filme Perfume de Mulher, se presenteie, se dê um pouco de tempo. Será um dos maiores presentes que nós podemos nos dar… Viva a vida do jeito como deve ser. Em alguns segundos se vive a vida. “Se um homem não descobriu nada pelo qual morreria, não está pronto para viver”, (Martim Luther King).

Fernando de Miranda Jorge – Jacuí/MG


Onda vermelha

O governador Romeu Zema determinou que algumas regiões do estado, incluindo Belo Horizonte, podem retornar para a onda vermelha, com restrições menos intensas em relação à pandemia. Esse retorno, segundo o governador, se dá pelo fato de que uma melhoria foi notada no sistema de saúde, mas é importante que a população entenda que tal mudança não está associada com o fato de que podemos relaxar, pois ainda temos profissionais da saúde exaustos e altos números de ocupação nos hospitais e de infectados e mortos pela covid-19. Ainda que essa mudança tenha ocorrido, é preciso haver uma fiscalização mais efetiva da circulação da população e do comércio, pois muitos locais têm funcionado de maneira clandestina.

Eduardo Martins – Belo Horizonte /MG