Opinião

As recorrentes falas de Bolsonaro ao golpe

POR ESDRAS AZARIAS DE CAMPOS

10 de julho de 2021

Bolsonaro não fala mais de outra coisa a não ser em fraudes que segundo o próprio acontecerão nas eleições de 2022. Suas últimas falas neste sentido são sintomáticas, “Vamos ter problemas no ano que vem. Como está aí, a fraude está escancarada“, foi o que disse e completou, no último dia 1º, “Tiraram o Lula da cadeia, tornaram ele elegível para ele ser presidente na fraude. E isso não vai acontecer.

Isso daí não é profecia é ameaça de golpe, o que, aliás, tem sido um mote repetido “ad nauseam” pelo presidente que demonstra a cada dia medo e desespero diante de uma cada vez mais próspera derrota em 2022, isto se não ocorrer algo mais consistente contra ele até lá. Mas enquanto isso não acontece, Bolsonaro navega nas águas turvas e barrentas da política nacional, aposta na fragilidade dos opositores perdidos em busca da terceira via! Ou então, também na certeza de que não será abandonado pelos seus fiéis seguidores mais conhecidos por bolsominions, também pelos evangélicos das alas Macedo/Malafaia e adjacentes, ah, têm os motoqueiros das motociatas.

Se apesar de tudo isto não der resultado que Bolsonaro espera, em último caso ainda resta o que ele chama de “meu Exército”, e no caso de derrota, dar o golpe final. Quer dizer, isto se não for um blefe de Bolsonaro achar que tem o Exército nas mãos, como afirmou o General Santos Cruz! É o que passa pela cabeça tacanha de um ex-capitão e ex-deputado que de política só aprendeu a pior das práticas políticas, o autoritarismo. Interessante que na sequência de sua fala, Bolsonaro demonstrou porque ele teme a derrota 2022, “medo de ser preso”. Não é ato falho é consciência pesada mesmo. Afinal, por que será que o Bolsonaro teme ser preso?

O carro chefe do Bolsonaro de que em seu governo não tem corrupção está ruindo a cada hora que passa, já até dispensou um ministro por causa de exportação ilegal de madeira, me custa até citar o nome do tal ministro que já foi tarde, até porque o crime ambiental contra a Amazônia foi capitaneado por ele, o tal Ricardo Salles até a sua saída do Ministério do Meio Ambiente. As rachadinhas, ou o nome correto dessas práticas que é peculato, portanto crime, antes eram denunciados somente os filhos do presidente, o 01, Flávio Bolsonaro e o 02, Carlos Bolsonaro.

Agora arrolou o próprio pai, Jair. Família que pratica rachadinha unida será presa unida. E agora pipocam os escândalos de corrupção com as compras e propinas das vacinas. O casos Covaxin e a compra de vacinas da Pfizer! Enfim, são tantas as razões para Bolsonaro temer ser preso que somente num texto é impossível registrar tudo. Além claro, da incompetência e irresponsabilidade desse desgoverno na desastrada condução do combate à pandemia que se aproxima dos 550 mil mortos.

Existe um raciocínio que perpassa pela cabeça do Bolsonaro sobre fraudes com urnas eletrônicas que é o seguinte, as urnas eletrônicas só fraudam contra ele. Um raciocínio falacioso. Afinal, se as urnas eletrônicas fossem fraudulentas, seriam fraudulentas para todos. E nesse caso quais seriam os alvos, quais seriam os beneficiados ou prejudicados, quais segmentos ou partidos políticos, candidatos etc.? Em 2018, segundo Bolsonaro, não apresentou provas até o momento, no entanto afirma reiteradamente que teria sido vítima de fraude no primeiro turno. Se houve fraude para evitar o Bolsonaro ser presidente, a fraude não evitou que ele fosse para segundo turno. E mais, não evitou que ele vencesse as eleições de 2018.

Enfim, o Bolsonaro nunca perdeu uma eleição desde a implantação das urnas eletrônicas em 1997, desde então se elegeu consecutivamente para deputado federal e finalmente para presidente? Então, para completar o raciocínio, o qual Bolsonaro é incapaz de fazer, a conclusão é óbvia: as urnas eletrônicas nunca foram fraudadas contra Bolsonaro! E mais, se existe alguém com poderes de fraudar com urna eletrônica, por que o mesmo não fraudaria com votos impressos? Não é para rir! Enfim, o Bolsonaro quer e precisa são de argumentos inda que fajutos para encobrir ou desviar o foco das suas incompetências a começar pela incapacidade de criar projetos e planos para tirar o país do sufoco que o seu próprio desgoverno nos jogou. Bolsonaro fará de tudo para criar uma celeuma institucional para justificar o que mais deseja e quer, ou seja, dar um auto-golpe.

ESDRAS AZARIAS DE CAMPOS é Professor de História