Música

Sepultura lança CD e Vinil com convidados

Por Danilo Casaletti / Especial

14 de agosto de 2021

‘SepulQuarta’ é o resultado de jam sessions em que cada um gravava sua parte de casa. / Foto: Reprodução.

A pandemia do coronavírus e a consequente paralisação das atividades artísticas foram, sem dúvida, cruéis para o setor cultural e de entretenimento. Entretanto, há um aspecto positivo que esse período difícil irá deixar: grandes projetos, que muito provavelmente não ocorreriam não fosse o afastamento compulsório de artistas e bandas dos palcos.

Um deles, que se junta a recentes lançamentos anteriormente não planejados, como Noturno, mais novo disco de Maria Bethânia, e Nu com a Minha Música, EP que Ney Matogrosso lançou há pouco e que se revelará por completo até o final deste ano, é o álbum SepulQuarta, que a banda de metal Sepultura lançou nesta sexta, 13, em CD, vinil e nas plataformas digitais.

O álbum é derivado de uma série de eventos online e encontros à distância com músicos de diferentes partes do mundo, que a banda, uma das mais celebradas do gênero, formada por Derrick Green (vocalista), Andreas Kisser (guitarra), Eloy Casagrande (bateria) e Paulo Xisto (baixo), realizou durante o período de isolamento social.

Dessas jam sessions, em que cada uma gravava sua parte de casa – foram 28 no total –, eles selecionaram 15 para fazer parte deste SepulQuarta, o mesmo nome dos eventos realizados remotamente.

As canções escolhidas se dividem entre hits do grupo – são o caso de Ratamahatta, Sepulnation e Kaiowas – e outras que há tempos eles não tocavam para o público, entre elas, Apes of God e Slaves of Pain, além da faixa Fear, Pain, Chaos, Suffering do álbum Quadra, que a banda lançou em fevereiro de 2020, pouco antes de a pandemia se espalhar pelo mundo.

“Inventamos o SepulQuarta para conversar com os fãs, para a banda continuar trabalhando com foco, cada um tocando de sua casa. Nunca imaginei o Sepultura sem palco. Somos uma banda de estrada. Porém, com a ajuda dos fãs e da tecnologia, enxergamos uma nova maneira de sermos Sepultura. A primeira ideia era fazer um evento interessante toda quarta-feira. E isso foi crescendo. Chamamos convidados para participar”, explica Andreas Kisser, em conversa por vídeo com a reportagem do Estadão.

Para além de um encontro virtual, no final de 2020, o grupo percebeu que tinha faixas de boa qualidade oriundas desses encontros com músicos e cantores. Foi daí que a ideia de lançar um novo disco ganhou forma – e muito também pelo pedido dos fãs.

“Era um material fantástico, com convidados incríveis. Resolvemos mixar e masterizar. Nada foi planejado. O disco é muito espontâneo. Não é ao vivo nem de estúdio. Foi feito nesse novo método (gravado a distância) que ainda não tem um nome específico”, diz Kisser.

Esses encontros musicais eram, a princípio, mixados pelo próprio guitarrista, em um processo quase caseiro, que funcionava muito bem para a internet. Para esse lançamento, as músicas passaram por uma nova mixagem, realizada por Conrado Ruther. Nada foi refeito, segundo Kisser.

Uma das principais faixas de SepulQuarta é Slave New World, lançada originalmente no álbum Chaos A.D., de 1993, que agora conta com a participação do guitarrista Matt Heafy, da banda americana Trivium. Um vídeo do encontro virtual será disponibilizado ao público também nesta sexta-feira.