Moda Destaques

Ronaldo Silveste estreia na SPFW

WAGNER PENNA/ Especial

29 de junho de 2021

Ronaldo Silvestre numa apresentação de atualidade na SPFW

O estilista mineiro Ronaldo Silvestre iniciou em grande estilo sua trajetória na São Paulo Fashion Week, apresentando um vídeo onde o clima de sua cidade natal (e onde reside), Itabira, integrou-se com o espírito da coleção.

Sob o nome de Conspiração, lembrou movimentos ocorridos no pais em nome da liberdade, reafirmação da identidade brasileira, valorização da mulher e da nossa cultura. Uma conspiração não apenas mineira, mas nacional a favor do bem.

A coleção foi inspirada em lírios, ganhadeiras, tropeiros, desconstrução de uniformes urbanos usando tecidos reciclados, retecidos, algodão com tingimentos naturais. Nas cores, Ronaldo Silvestre usou o verde intenso miliar, passando pela leveza dos tons de barro até o azul profundo noite com gotas de vermelho sangue aplicados em formas atemporais, amplas e orgânicas.

Uma apresentação que confirma o estilista itabirano como um dos melhores e mais talentosos da moda mineira.

VAIVÉM

A 51ª edição da São Paulo Fashion Week (SPFW), que exigiu 50% dos modelos participantes negros ou indígenas, mostrou como os debates sobre raça propostos na década passada renderam frutos. “A moda é um recado, é um código que se apresenta para as pessoas.

[Uma mensagem] de autoestima ou de baixa-estima, para incluir ou para excluir. Tem os dois caminhos. A gente sempre vem procurando trazer para a moda e, a partir do SPFW, enfrentando essas questões que transformem o todo”, aponta Paulo Borges, diretor criativo da SPFW. O evento teve início no dia 23 e foi encerrado no domingo, 27, e contou com a participação de 43 marcas.

*O evento, em formato de festival, teve como tema “Regeneração”, conceito que envolve aspectos como protagonismo feminino, empreendedorismo, inclusão e tecnologia. Borges explicou que o ano da pandemia trouxe essa perspectiva da necessidade de refazer.

*Em uma edição 100% digital, assim como a anterior, Borges aponta que a presença online é uma marca do evento. “A gente sempre acreditou que a internet, para o Brasil, pelo seu tamanho, pela sua forma, não só geográfica, mas diversa do ponto de vista de cultura, de comportamento, seria uma ferramenta valiosa para construir um processo de moda dentro do país”, avalia.

PONTO FINAL

A próxima edição está prevista para novembro. “Acredito que a gente já consegue fazer uma parte da São Paulo Fashion Week, do festival, de forma física, com todas as precauções necessárias, mas estamos também prontos para fazer 100% digital.” Borges acredita que, mesmo com o fim das restrições sanitárias, o evento caminha para uma mescla entre o digital e o físico. “Você não vai trocando, você vai juntando camadas de relações, de velocidades, de formas e a gente já vem experimentando o digital com a São Paulo Fashion Week há bastante tempo.”