Imóveis Destaques

Cuidado para espantar o frio com improvisação: veja o que não pode ser feito dentro de casa

22 de Maio de 2022

Irmãos queriam se aquecer do frio e colocaram carvão em panela

Com o frio intenso dos últimos dias em Minas Gerais, cada vez mais as pessoas improvisam formas de se aquecer com churrasqueiras, fogueiras e outros tipos de brasas. No entanto, esse aquecimento improvisado é perigoso, tanto que até gerou a morte de um casal em Nova Ponte, no Triângulo Mineiro, na quinta-feira (19).

O tenente Pedro Aihara, porta-voz do Corpo de Bombeiros, explica que, justamente por causa do período de frio, as pessoas costumam acender as brasas em locais fechados. “A gente tem a produção de monóxido de carbono em qualquer processo de combustão. Quando a gente aspira essas partículas de carbono elas se ligam à hemoglobina do nosso sangue e isso prejudica a troca gasosa e faz com que o oxigênio não seja distribuído de forma correta por nosso corpo. Isso causa um colapso que pode levar à morte da pessoa”, explica o tenente.

Aihara ressalta ainda que como o monóxido de carbono não tem cor e nem cheiro, a pessoa não percebe que está aspirando a substância. “Os sintomas causados por essa aspiração são difíceis de serem percebidos. A pessoa começa a ficar sonolenta, com uma dor de cabeça muito leve, acaba desmaiando sem perceber que está sendo contaminada e continua aspirando o monóxido de carbona sem perceber, o que leva a morte”.

 

Lareiras e aquecedores

O tenente ainda chama atenção para que a mesma situação pode acontecer com lareiras e aquecedores, caso eles não estejam com sua manutenção em dia e com algum funcionamento prejudicado. “É preciso ter um sistema de exaustão adequado para isso. Em lareiras que tem a chaminé, é importante ver se o sistema de exaustão está funcionando corretamente. Nos casos de aquecedores a gás lembrar que mesmo que não tenha uma combustão pode ocorrer um vazamento de gás e gerar uma contaminação”, destaca.

O porta-voz orienta que em caso de fogueiras e brasas, o ideal é que elas sejam feitas em espaços abertos e bem ventilados. Ele também alerta para que as pessoas não fiquem muito perto das chamas e nem passem muito tempo ao lado delas para não haver intoxicação.

 

Casal morre

Nesta quinta-feira (19) dois casos de intoxicação por causa destes aquecimento improvisados foram registrados em Minas. Em Nova Ponte, um casal morreu após acender uma churrasqueira elétrica no quarto para se aquecer. Eles morreram asfixiados enquanto dormiam e foram encontrados já sem vida pela filha de 14 anos.

Edwin Luisi de Medeiros Silva, de 40 anos, foi encontrado caído no chão, e, deitada na cama, estava Silvana Vieira da Silva, de 39. A porta e a janela do quarto estavam fechadas. Os filhos do casal, um menino de 9 anos e a adolescente de 14 anos também tiveram intoxicação.

Em Uberlândia, também no Triângulo Mineiro, dois irmãos precisaram de socorro médico após colocarem carvão em uma panela e acenderam as brasas para se aquecerem do frio. Um adolescente de 16 anos e a irmã de 27 anos tiveram intoxicação devido à fumaça.