Sobe para 52 o número de mortes em decorrência das chuvas em MG

29 de janeiro de 2020

Subiu para 52 o número de mortos em decorrência das chuvas que atingiram Minas Gerais desde o último dia 23. Segundo boletim divulgado pela Defesa Civil, até a tarde de ontem, 28, o Estado contabilizava 28.893 pessoas desalojadas, 4.397 desabrigadas, 65 feridos e um desaparecido. De acordo com a Defesa Civil, do total de óbitos, 42 foram por soterramento, oito vítimas foram arrastadas pelas águas e duas pessoas morreram afogadas. Desde segunda-feira, foram registradas sete mortes. As primeiras vítimas das chuvas ocorreram entre os dias 23 e 24 deste mês, o que significa média de mais de oito vítimas por dia, devido a deslizamentos de terra; desmoronamento de construções; alagamentos; transbordamento de rios e quedas de árvores. Uma das vítimas recentes é uma menina de 2 anos, moradora de um acampamento de trabalhadores sem-terra na zona rural da cidade de Olhos d’Água, a cerca de 420 quilômetros de Belo Horizonte. Segundo o cabo José Eustáquio de Moraes, do 7º Batalhão do Corpo de Bombeiros em Montes Claros, a menina foi atingida pela parede de uma casa de adobe que ruiu com a força das chuvas dos últimos dias. Conduzida para o Centro de Saúde de Olhos d’Água, a criança não resistiu aos ferimentos. As outras mortes ocorreram em Luisburgo (dois casos), Divinópolis (uma) e Pedra Bonita (uma). Em virtude dos estragos causados pelas chuvas, 101 municípios mineiros decretaram situação de emergência. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), as regiões central, norte e leste de Minas Gerais devem ser atingidas hoje por chuvas fortes, com trovoadas.O tempo continua instável devido à atuação da Zona de Convergência do Atlântico Sul (Zcas), fenômeno que favorece a ocorrência de pancadas de chuva.Segundo o Inmet, as temperaturas vão variar bastante, podendo chegar a 35°C na região norte. No sul do Estado, a mínima pode atingir 18°C.  Cidades castigadas já começam a receber piso social  A Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese) já iniciou o pagamento antecipado do Piso Mineiro de Assistência Social Fixo a 101 cidades castigadas pelas fortes chuvas que atingem Minas nos últimos dias. Ao todo, R$3,4 milhões serão repassados aos municípios que tiveram a situação de emergência declarada pelo governo do Estado. As parcelas antecipadas do Piso Mineiro são referentes aos meses de janeiro, fevereiro e março. Os recursos vão contribuir para garantir o atendimento às demandas socioassistenciais causadas pelas chuvas, minimizando o sofrimento da população. Desde a semana passada, ao menos 50 pessoas perderam a vida em consequência dos fortes temporais em Minas. Atualmente, há 28 mil desalojados e quatro mil desabrigados.   Suporte aos municípios A Sedese está dando suporte técnico aos gestores municipais de assistência social e às equipes de referência dos municípios afetados. Entre as ações, estão o apoio no preenchimento de plano de trabalho para recebimento do Piso Mineiro e orientações sobre o cofinanciamento federal para o Serviço de Proteção em Calamidades Públicas e Emergência e sobre o adiantamento do calendário do Bolsa Família. As equipes das 22 Diretorias Regionais da Sedese e dos Centros de Referência Especializados em Assistência Social (Creas) Regionais também foram orientadas e capacitadas. “Acompanhamos de perto os municípios atingidos, sabemos que neste momento toda ajuda é importante. Estamos pagando o adiantamento do Piso Mineiro, que é o recurso mais importante da assistência, e estamos mobilizados com nossas equipes para dar todo apoio necessário para que cada família impactada tenha a resposta mais rápida possível para garantir seus direitos básicos”, destacou a secretária de Estado de Desenvolvimento Social, Elizabeth Jucá.   Decretos No último sábado, 25, o governador Romeu Zema publicou o Decreto nº 33 declarando situação de emergência inicialmente em 47 municípios do Estado. Posteriormente, na segunda-feira, 27, novo Decreto (nº 35) ampliou para 101 o número de municípios nessa condição. O reconhecimento da condição permite mobilizar todos os órgãos estaduais para atendimento e reparação dos estragos causados pelas chuvas, sob a coordenação da Defesa Civil mineira. Além disso, os decretos dispensam de licitações as contratações de serviços temporários e as compras consideradas essenciais para o enfrentamento de dificuldades. O prazo de validade é de 180 dias.   Recurso federal No último fim de semana, após se reunir com o governador Romeu Zema e com prefeitos da Grande BH, o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, anunciou que o Governo Federal já disponibilizou R$90 milhões aos Estados para a reconstrução das áreas danificadas pelos temporais.