Recanto fecha com 16 idosos e demite 30 funcionários

18 de fevereiro de 2020

PASSOS – Após 35 anos prestando um serviço de excelência em hospedagem de idosos, o Recanto Geriátrico fecha suas portas. A entidade, mantida pela Fundação Beneficente São João da Escócia (FBSJE), que também era mantenedora do Hospital Otto Krakauer, deixará de prestar o serviço aos últimos 16 hóspedes no próximo dia 13 e demitiu 30 funcionários, além de um médico e um nutricionista que lá atuavam.De acordo com o presidente da FBSJE, o advogado Piassi Giovani, foi realizada reunião na noite do último sábado entre a direção da fundação e familiares dos hóspedes do Recanto Geriátrico de Passos, quando foi confirmada a comunicação de que as atividades de hospedagem no local serão encerradas no dia 13 de março, conforme antecipou a Folha em divulgação no último domingo.“O Recanto, que já chegou a hospedar mais de 70 idosos e ganhou vários prêmios de excelência e também em dinheiro, inclusive de Furnas Centrais Elétricas, não pode mais se sustentar com as atuais normas governamentais e com o baixo custo para os pagantes. Ficou muito caro manter o local e que mensalmente estavam tendo um prejuízo acima de R$30 mil mensais”, garantiu o presidente.Ainda conforme disse Giovani, os familiares foram informados por conta do dever de ofício e por obrigação contratual. “Essa comunicação foi feita anteriormente por carta, mas a diretoria entendeu por bem conversar pessoalmente com os familiares dos hóspedes, da mesma forma que foi feito com os funcionários quando lhes foi dado o aviso prévio, segundo determina a legislação trabalhista”, disse Giovani.Em entrevista à Folha na tarde de ontem, 17, o presidente afirmou que a fundação vem trabalhando com outras hipóteses, como a de instalar em parte do prédio do Hospital Otto Krakauer uma policlínica, com a oferta de diversas especialidades médicas, inclusive odontologia e oftalmologia, exames laboratoriais e outras atividades compatíveis.“Também houve a intenção de transferência do Recanto para outra parte do prédio do hospital, enquanto as dependências atuais do Recanto passam a ser utilizadas para a instalação de uma clínica para recuperação de dependentes químicos, porém, isso ainda está em estudo de viabilidade, o que compromete as finanças da FBSJE continuar com o serviço como vinha sendo oferecido”, afirmou.Piassi Giovani esclareceu ainda que a paralisação do Otto, como hospital psiquiátrico, ocasionou a perda dos requisitos exigíveis para o recebimento de verbas públicas, o que tornou impossível pleitear qualquer recurso atualmente.Questionado sobre verbas municipais, estaduais ou federais, Piassi Giovani explicou que, por ser uma instituição particular, não pode receber verbas.A administração municipal informou, por meio de sua assessoria de comunicação, lamentar o fechamento do Recanto, porém, por se tratar de instituição privada, nada poderia fazer.Para a assistente social do Recanto Lilian Leite, o fato de haver muitos contratos antigos, alguns com cerca de 15 anos, os valores estava defasados. “Houve a tentativa de fazer uma reunião apresentando a proposta de aumento, porém, poucos familiares entenderam a necessidade da adesão. Com muito pesar, vamos precisar encerrar as atividades”, garantiu.Ainda conforme explicou Lilian, após a reunião, vários familiares procuraram a direção do hospital apresentando a impossibilidade de conseguir arcar com a adequação de tabela. “Trabalhamos o remanejamento num raio de extensão de alguns quilômetros, em cidades vizinhas, para buscar uma vaga, principalmente para os casos que eram de vagas sociais, mas não conseguimos para todos. Conseguimos algumas transferências, porém, para alguns, estamos tendo dificuldades”, afirmou a assistente social.