Passos aluga maquinário para reconstrução de 16 pontes

7 de março de 2020

PASSOS – Após o fim de um processo licitatório, a Prefeitura Municipal de Passos assinou, durante a tarde de ontem, 6, três contratos com empresas especializadas na locação de caminhões e máquinas pesadas para a reconstrução de 16 pontes localizadas nas áreas rurais do município. As pontes foram destruídas devido ao grande volume de chuva registrado durante os últimos dois meses. O maquinário também deve auxiliar na drenagem de água de 40 pontos críticos das estradas, onde os chamados atoleiros têm prejudicado a circulação de pessoas e o escoamento da produção agropecuária.De acordo com o secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, José Luiz Ribeiro, cerca de mil estudantes têm sido afetados com a perda das 16 pontes. Neste caso, foram contabilizadas dificuldades de acesso em ao menos quatro escolas da zona rural, sendo elas: Geralda Candida de Oliveira, Coronel Azarias de Melo, Doutor Manoel Patti e Oilda Valeria Silveira Coelho. Os alunos que precisam acompanhar as aulas em área urbana também estão prejudicados. A estimativa é que cerca de mil moradores e mil estudantes estão sendo afetados com a queda das estruturas nas estradas.A previsão é que as atividades de reconstrução e revitalização fossem iniciadas na tarde de ontem. O ponto inicial seria a região denominada Vira, onde, em decorrência a perda da ponte e alta quantidade de atoleiros formados pelas chuvas, produtores não conseguem sair de suas propriedades ou terem acesso aos pastos e plantios.De acordo com o secretário, não há estimativa do valor dos prejuízos causados pelas chuvas nos quase três mil quilômetros de estradas rurais de Passos. Segundo ele, com o aumento de 75% nos recursos da pasta da Secretária de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, será possível, a longo prazo, melhorias em pontos cruciais das vias. Mesmo assim, o valor a mais não será suficiente para resolver todas as adversidades locais, afirma Ribeiro.“Registramos chuvas de até 410 milímetros entre os primeiros meses do ano. Em janeiro, a chuva pesada foi concentrada na área rural, ao norte, enquanto que, em fevereiro, a parte sul foi atingida. Aterros foram arrebentados e muitas áreas foram prejudicadas, o solo não consegue absorver tanta água. Entendo que o poder privado evoluiu muito, mas o público nem tanto, as nossas despesas ficaram altas, no ano passado, a minha secretária pode investir R$1,6 milhão nas estradas rurais, para esse ano conseguimos R$2,8 milhões, apesar da alta e avanços que poderão ser feitos, precisaríamos de um direcionamento de mais ou menos R$8 milhões para solução de todas as adversidades”, considerou Ribeiro. Caminhões também influenciam PASSOS – Não só as chuvas foram responsáveis pela situação atual das estradas, mas a alta na circulação também. Conforme José Luiz Ribeiro, em apenas três anos, a demanda local avançou de maneira drástica, fazendo com que pontes e aterros não suportassem o peso.“Antes tínhamos três ou quatro hectares de soja, e caminhões pequenos, que levavam até 14 mil quilos da oleaginosa, agora, Passos tem 12 mil hectares, onde caminhões transportam mais de 70 toneladas. Ainda não conseguimos acompanhar este avanço, mas temos que nos adaptar e atender esse crescimento. Os caminhões serão cada vez mais pesados, isso não é problema, mas sim, solução, faz parte do futuro, o que precisamos é viabilizar melhorias que, rapidamente, estejamos lado a lado ao progresso rural”, encerrou.