Opinião: Ai de ti, América Latina!

7 de dezembro de 2019

No continente americano do México incluindo as repúblicas das Antilhas para baixo no mapa, com exceção de uns cinco ou seis países, todos os demais foram colonizados por espanhóis, franceses e no caso brasileiro por portugueses, portanto povos de cultura dita latina. Daí porque esta parte considerável do continente americano ser chamada de América Latina. Mas, não é somente pelo fator cultural ou geográfico o que identifica e de certa forma uniformiza os países latino-americanos, aliás, o que mais caracteriza e chama a atenção para esta parte da América são outros fatores tais como a instabilidade política permanente, herança colonial maldita e negativa, profundas desigualdades sociais com suas populações divididas entre pouquíssimos ricos de um lado e do outro lado um imenso muro social segregando a imensa massa do povo na pobreza. E mesmo os países destas áreas que foram colonizados por ingleses e holandeses também padecem dos mesmos problemas. Enfim, a questão que surgiu e nunca desaparece é – o porquê deste destino inglório para a América Latina?

 

As explicações para esta crucial questão latino-americana existem nas mais variadas teses sociológicas, econômicas e até literárias, mas, sobretudo históricas. Tudo “bem explicadinho nos mínimos detalhes” em milhares de livros, uma vasta obra de especialistas e acadêmicos de várias universidades tanto de países da própria A. Latina, quanto de outras partes do mundo. E além das obras das ciências sociais sobre o tema, temos ainda uma rica literatura de escritores latino-americanos a escancarar o eterno drama vivido por estes povos, sempre se repetindo por séculos afora as suas mazelas políticas e sociais, tão explicitas, para ficar em um só exemplo, na monumental obra do Nobel de literatura Gabriel Garcia Marquez, “Cem anos de solidão”. Mas então, vamos contextualizar o xis da questão, pois o público alvo a quem tais estudos e literatura trariam enormes benefícios para a politização e entendimento de seu secular atraso sócio-econômico e ao mesmo tempo obter uma visão progressista, infelizmente não tem acesso a tais obras. E por várias razões. A primeira delas se explica por um fator histórico determinante. O colonialismo imposto sobre os povos latino-americanos foi assimilado pelas elites locais e mantidos mesmo após as independências destes países. Explico: As metrópoles européias adotaram o seguinte princípio para exploração de suas colônias: saquear todas as riquezas e sugar e espoliar as populações colonizadas. Estas foram as práticas utilizadas por quase quatro séculos nas colônias latino-americanas. E infelizmente, após os movimentos de independência as elites locais que substituíram o poder colonial, assimilaram os princípios do colonialismo e passaram a espoliar seus respectivos povos, mantendo a escravidão e suas massas “livres” na ignorância e na pobreza. E tal situação se tornou secular na America Latina.

Parafraseando Darcy Ribeiro, a pobreza na América Latina é um projeto político e social! Foi idealizado, proposto e imposto pelas obtusas elites locais para assim eternizar a acumulação de suas riquezas e o poder político e a exclusão dos povos. E mesmo com as tentativas de democratização dos países latino-americanos, pouco se consegue avançar em projetos de melhorias sociais e econômicas, uma vez que projetos dessa natureza exigem reformas pontuais na educação e com justa distribuição de renda cuja conseqüência imediata seria a politização de seus povos. E aí o bicho pega, porque as nossas elites morrem de medo de povo politizado. Não quer o povo lúcido exigindo mudanças e para evitar isto, recorrem sempre ao remédio secular chamado golpe seguido de ditadura. Este o retrato político e social da América Latina, no qual o Brasil está inserido nesta foto em 3 por 4 mal retocada mas de perene existência.

Tem saída para a America Latina? A principal saída tem sido o aeroporto ou então a migração de levas da população de um país fronteiriço para outro dentro da própria A. Latina, imaginando que vai encontrar um paraíso e um novo projeto de vida. Difícil né, até porque todos estes países estão sempre curtindo uma crise. Mas enfim, temos de continuar projetando mudanças para América Latina, apesar do nosso futuro apontar para uma imensa Macondo por mais alguns séculos. Desculpe o pessimismo, sinceramente, mas pelo momento que passa a América Latina, não dá para imaginar outra coisa, por mais leve que seja como otimista. Se alguém quiser ser otimista e acreditar num governo sem projeto e administrando por instinto, arrogância e improvisos, que isto aí vai mudar o Brasil para melhor, que torça, acredite e expresse, afinal é o que a nossa frágil democracia permite de liberdade. Acreditar.

ESDRAS AZARIAS DE CAMPOS é professor de História.

O BRASIL ESTÁ INSERIDO NESTA FOTO EM 3 POR 4 MAL RETOCADA