Novo ano traz seis feriados prolongados

6 de janeiro de 2020

PASSOS – O calendário de 2020 vai ter seis feriados nacionais prolongados, isto é, as datas comemorativas vão cair em segundas ou sextas-feiras e, portanto, emendam com o fim de semana. O setor mais afetado negativamente pelos feriados é o comércio, principalmente no segundo semestre do ano, em que são quatro datas prolongadas diante de apenas duas entre os meses de janeiro e junho, ocasiões que devem fazer com que a maioria dos comerciantes fique de portas fechadas.As próximas datas comemorativas são 10 de abril, em que se celebra a Páscoa; 1º de maio, em que se comemora o Dia do Trabalho; 7 de setembro, a Independência; 12 de outubro, Dia de Nossa Senhora Aparecida; 2 de novembro, Finados, e no dia 25 de dezembro, o Natal.A lista de folgas dos trabalhadores ainda pode ser maior, caso a empregador considere o Carnaval, no dia 25 de fevereiro, e o Corpus Christi, em 11 de junho, já que são datas classificadas como pontos facultativos conforme informou o Diário Oficial da União.O setor de varejo acredita não ter tantos prejuízos com os feriados, pois o movimento já está baixo. A gerente de uma franquia de calçados na região central da cidade, Renata Duarte Gonzaga Lima de Melo, comentou que o ano de 2019 e consequentemente os feriados desse período já foram uma amostra de como seria o saldo em 2020. “Estamos com vendas muito baixas e uma tendência de alta procura dos clientes por promoções, deixando na maior parte das vezes de avaliar a qualidade da marca”, disse.A atendente de uma loja de vestuário feminino no Centro também compartilhou da mesma experiência. “Tivemos um Natal fraco, com baixo rendimento, apesar do horário estendido”, recordou Monica Batista, afirmando que, se continuar nesse ritmo, a tendência é não ter prejuízos, “pois o nível raso do consumo irá se manter”.Monica lamenta que o comércio esteja tão enfraquecido e não visualiza melhora no cenário econômico da região, principalmente com o baixo reajuste do salário-mínimo. “A não ser que alguma indústria venha para a cidade, gerando mais empregos e movimentando o dinheiro que está tão contido nas lojas centrais”.Uma lanchonete da mesma região também está com as perspectivas estagnadas para as vendas em 2020. “As coisas estão muito caras, cabe ao proprietário buscar opções para tornar a mercadoria mais barata, senão, ninguém compra. O que as pessoas têm procurado são promoções, com o pensamento de que estão pagando mais barato de alguma forma. Aqui, por exemplo, nos perguntam se um salgado com refrigerante sai mais em conta do que comprar a bebida avulsa. Então, acredito que o que mantém as vendas são as promoções, isso em qualquer setor comercial, ainda mais com a concorrência”, descreveu a atendente do estabelecimento, Nayandra Aparecida Reis Sousa.Segundo estimativa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomércio-SP), o varejo terá uma redução de vendas em torno de R$11 milhões. No entanto, reforçou a economista Ludmila Ferreira Duarte, não são todos os setores da economia que vão ser atingidos por essa baixa.“Acontece o fenômeno de compensação, ou seja, se o comerciante do setor calçadista deixa de vender em feriados prolongados, o comerciante em bebidas é o que mais fatura nessa época”, observou a economista, apontando dados do Centro de Informações sobre Saúde e Álcool (Cisa), que estima que jovens com menos de 30 anos consomem no Brasil o equivalente a 56% de todo o álcool vendido no país.“Ou seja, a Ambev, principal empresa de bebidas no Brasil, faturou, somente no segundo trimestre de 2019, cerca de R$2,712 bilhões. Com os feriados ainda mais prolongados de 2020, esse valor pode ser ainda mais alto”, acredita a economista.Ponto positivoAlém das folgas a serem gozadas pelos trabalhadores, o ponto positivo para o comércio reflete no turismo. De acordo com o Ministério do Turismo e dados publicados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e levando em consideração somente o estado de Minas Gerais, foram recebidos quase 82 mil turistas, que contabilizaram um gasto médio diário de aproximadamente 63 dólares (R$255,78 por dia).“Olhando para nossa região, Passos tem crescido no turismo devido à procura de viagens pela Serra da Canastra e também pela cidade de Capitólio. Portanto, é evidente o benefício econômico dos feriados prolongados de 2020, não somente para a nossa região, mas para todo o país”, avaliou Ludmila. TrabalhadoresCom o orçamento comprometido com as demais despesas mensais, a maioria dos trabalhadores não deve aproveitar os feriados prolongados para viajar, como é o caso da atendente de uma loja de produtos para celular, Brenda Pereira Souza.“A gente aproveita o período para colocar as obrigações domiciliares em dia, ficar em casa com os filhos e família e, ainda, descansar do serviço. Mas viajar nem está nos planos. A situação financeira do brasileiro no geral está muito apertada”, lamentou.