Novela conta a história de três mães

23 de novembro de 2019

“Mãe é mãe”. “Em coração de mãe sempre cabe mais um”. “Mãe é tudo igual”. “Praga de mãe pega”. “Intuição de mãe não falha”. Quem nunca ouviu uma frase clichê sobre a maternidade? Expressões verdadeiras ou não, as mães se reconhecem quando o assunto é o que sentem pelos filhos. Em ‘Amor de Mãe’, Lurdes (Regina Casé), Thelma (Adriana Esteves) e Vitória (Taís Araujo) vivem plenamente a maternidade e, apesar de todas as diferenças que as separam, terão suas vidas entrelaçadas.

A próxima novela das nove, que estreia na próxima segunda-feira na Globo, tem a maternidade como tema central e mostra como o cotidiano pode ser afetado, positiva ou negativamente, pelos acontecimentos da vida. É uma trama sobre o amor e sobre as escolhas feitas em situações-limite. “Não importa a classe social, uma mãe sente empatia por outra. É impossível resistir a essa identificação. E sinto que estamos precisando estimular a empatia no Brasil e no mundo como um todo”, diz a autora Manuela Dias. “É uma novela positiva, focada em pessoas que querem mudar o mundo para melhor”, completa o diretor José Luiz Villamarim.   

As vidas de Lurdes, Thelma e Vitória vão se entrelaçar em ‘Amor de Mãe’, que estreia no dia 25 de novembro. A novela criada e escrita por Manuela Dias conta com a colaboração de Roberto Vitorino, Mariana Mesquita e Walter Daguerre, e supervisão de Ricardo Linhares. A direção artística é de José Luiz Villamarim, com direção de Walter Carvalho, Noa Bressane, Philippe Barcinski, Isabella Teixeira, Fellipe Barbosa e Kiko Marques. 

Lurdes está em busca de um novo emprego e consegue uma entrevista na casa de Vitória que, com a iminência da chegada dos dois filhos, precisa de uma babá. No mesmo dia em que encontra Vitória, Lurdes conhece Thelma ao socorrê-la na rua e acompanhá-la ao hospital. É ela quem recebe do médico a notícia de que Thelma está com um aneurisma cerebral inoperável. Depois desse episódio, Thelma e Lurdes se tornam grandes amigas.

Magno (Juliano Cazarré) ainda se lembra de tudo que aconteceu em Malaquitas, no passado. Ele tentou impedir que Jandir ficasse sozinho com Domênico na fatídica noite em que o menino foi vendido, mas não conseguiu lutar contra o pai. Ele é o mais velho dos irmãos e a cumplicidade que sempre teve com a mãe o fazia se sentir responsável pelos mais novos. Magno apoia Lurdes em tudo. Assim como conta com a ajuda da mãe na criação de sua filha, Brenda (Clara Galinari). Ela tem uma doença genética, chamada talassemia maior, e só poderia ser curada com um transplante de medula de um doador compatível. A mãe da menina, Leila (Arieta Corrêa), está em coma há anos e, apesar de ter pedido a separação antes do acidente que a deixou em estado vegetativo, Magno acompanha de perto a internação da esposa.

É no hospital onde Brenda se trata e Leila está internada que ele conhece Betina (Isis Valverde), a chefe de enfermagem que cuida das duas. Betina e Magno criam uma relação de admiração mútua. Os dois convivem bastante no hospital e a atração que sentem um pelo outro é velada, apesar de intensa. 

Betina é uma profissional dedicada que batalhou muito para se formar. Ela não tem um bom relacionamento com o irmão Genílson (Paulo Gabriel). Ele se envolve com criminosos, o que deixa a mãe dos dois, Nicete (Magali Biff), muito preocupada. Mas uma coincidência trágica que envolve a morte de Genílson acaba aproximando mais ainda Betina e Magno, só que agora fora do hospital. 

Primeira novela gravada no MG4

‘Amor de Mãe’ é a primeira novela gravada nos novos estúdios da Globo, inaugurado em agosto deste ano. Em uma área construída de 26 mil m², as novas instalações são uma comunhão do que há de melhor na indústria audiovisual com a expertise Globo, que desenvolveu, in house, soluções inovadoras no mercado mundial. O redesenho de processos de gestão e produção, aliados aos novos padrões de tecnologia, pretendem trazer maior flexibilidade para a produção de conteúdo da Globo.

Um dos principais benefícios do projeto é o desenvolvimento de um novo conceito de produção de dramaturgia, ampliando os recursos artísticos para a criação, direção e fotografia das novelas da Globo. Com cenários fixos, os módulos de gravação têm sets cenográficos integrados, imprimindo maior realidade para as produções. O espaço possibilita, por exemplo, que uma cena tenha continuidade em uma área externa de 4.000 metros quadrados. Ou, ainda, uma gravação contínua a partir de dois fossos cênicos – solução trazida de teatros internacionais – para dentro dos ambientes. Os estúdios ainda contam com portas de 8X6m, um padrão muito superior ao que existe atualmente no país, que exigiram o desenvolvimento de uma solução de blindagem acústica inédita no mercado. 
Com 100% da energia vinda de fontes renováveis, o empreendimento é dotado de um telhado verde – que contribui para a economia de energia –, iluminação 100% a LED, equipamentos de ar condicionado eficientes e planta de energia solar. Além disso, conta com o reuso de água de chuva e ar-condicionado, tratamento de 100% dos efluentes gerados e coleta seletiva de lixo. Para o enriquecimento arbóreo do espaço foi promovido o plantio de 14 mil novas mudas. 

Os estúdios são dotados de equipamentos wireless, eliminando os cabos de câmeras e microfones, o que garante maior mobilidade nas gravações, além de um set mais limpo. De olho no futuro, os três novos estúdios nasceram habilitados para os formatos 4K e 4K HDR – que oferece quatro vezes mais resolução do que o Full HD aliado às qualidades do High Dynamic Range, que com maior variação da latitude de cores traz imagens mais vivas e melhores níveis de contraste. Além da percepção de qualidade e da experiência mais imersiva, a produção em altíssima resolução facilita o trabalho de pós-produção.