Geral

Mulher quase morre ao sofrer reação alérgica após fazer sexo sem preservativo

31 de outubro de 2019

source

Uma mulher, de 46 anos, da cidade de Baltimore, nos Estados Unidos, sofreu uma reação alérgica e quase morreu depois de fazer sexo sem preservativo com o marido. Uma hora depois da relação sexual, ela começou a suar profundamente, teve tontura, além de sofrer com quadros de diarreia.

Leia também: Mulher sofre reação alérgica e quase morre após fazer sexo oral no namorado

mulher na cama arrow-options
shutterstock

Uma hora depois de fazer sexo sem proteção com o marido, a mulher passou a apresentar uma reação alérgica grave

Quando os sintomas pioraram, ela foi levada ao hospital. No local, ela revelou ter alergia à penicilina, mas negou ter tomado o antibiótico antes de fazer sexo ou ingerido alimentos incomuns. Após exames, os médicos descobriram que seu marido tinha ingerido nafcilina – uma forma de penicilina – para tratar uma infecção. 

Leia também: Conheça a posição sexual que pode te matar em 30 minutos

De acordo com o Daily Mail , a mulher, no caso, teve um choque anafilático, uma reação do sistema imunológico a uma substância que considera prejudicial. A reação alérgica grave faz com que a pressão arterial caia de forma repentina e as vias aéreas do paciente ficam mais estreitas, bloqueando a respiração. 

Como resultado, os especialistas do Sinai Hospital disseram que a anafilaxia foi causada por conta de uma transferência da nafcilina através do sêmen . O caso, que acredita-se ser o terceiro do gênero já registrado, foi publicado no The American Journal of Medicine . 

Como parte do tratamento, a mulher recebeu uma dose de adrenalina. Os sintomas da reação alérgica melhoraram em 24 horas e ela conseguiu sair do hospital. Os médicos ainda informaram para ela não fazer sexo com o marido por pelo menos uma semana depois que ele terminar o tratamento com antibióticos. 

Leia também: Ataque cardíaco no sexo mata mais homens por conta de uma atitude das mulheres

Médicos disseram que penicilinas, assim como outros antibióticos, são conhecidas por se concentrarem no sêmen humano e podem ser absorvidas pela vagina.  Eles agora pedem que médicos e farmacêuticos estejam cientes dos riscos potenciais de prescrever medicamentos às pessoas se seus parceiros tiverem alergias. 

Fonte: IG Mulher