Leitor: Lago de Furnas

10 de janeiro de 2020

 Este conceituado jornal apresentou duas reportagens do afogamento de turistas no Lago de Furnas, em Guapé e na região do Turvo. 11 pessoas foram retiradas pelos Bombeiros depois de um longo trabalho para localização dos corpos.

 

 Pergunta-se: "Quais as causas desses afogamentos"?

 

 Pelo que sabemos, nenhuma informação deve vir à tona, para não prejudicar o turismo já existente no lago, após o fechamento das comportas da barragem construída por Furnas, com interesse de que tudo deveria ser executado de maneira oculta, – mas lenta, cordial e segura "aspas". E as águas dos rios Grande e Sapucaí, se uniram para formação do lago.

 

 O que deveria ser feito, antes da barragem, não foi feito, os trabalhos de "resgate". Centenas de desapropriados foram abandonados à própria sorte – salve-se quem puder e mais, sem transportes e a água chegando, não havia mais tempo para levar alguma coisa das casas, móveis, utensílios diversos, animais – vacas leiteiras, tudo simples, assim, agora expulsos de seus pequenos sítios, heranças vindas de familiares e antigos moradores da região.

 

 Não há espaço para que possamos informar as consequências ocorridas pela não execução do "resgate". Os mais corajosos diziam: "O dinheiro existia, mas a "obra" seria invisível – cafezais, serra do alto, matas existentes, tudo ficaria debaixo d’água e ninguém para reclamar" E daí …? – O dinheiro?? "

 

… O resto é silêncio".

 

 Hoje, com a baixa constante do Lago galhos pontiagudos em profundidades estratégicas, como se diz em engenharia militar, – tudo em condições de prender ao fundo, o "turista de piscina" outros primários, que não sabem do perigo existente com seus mergulhos. As ocorrências que estão acima relatadas, são de nosso conhecimento há 60 anos ou mais, como testemunhas oculares da história.

 

 O "Mar de Minas" "é hoje um "Mar de Lágrimas". 

J. F. de Souza – Passos/MG 

 

EUA no Oriente Médio

 Executar por medo, ameaças, desconfiança ou até imaginar que alguém poderia fazer algo contra, é justo? É de direito? Essa tem sido a prática dos presidentes americanos nos últimos 14 anos. Em 2006, os EUA executaram Saddam Hussein. Acabou o terrorismo? Em 2011, foi Bin Laden, e o terrorismo continuou. Agora, no início de 2020, o general iraniano foi abatido. Nessas medidas burras, desconhecidos foram mortos também. Os americanos precisam passar por um tratamento. Onde está a ONU? Ela existe? O pior é que ainda recebem Prêmio Nobel por tentativas de apaziguar o Oriente Médio. Já o povo americano vai ficar isolado do mundo.

José Dias Sobrinho – Timóteo/MG