Leitor: La Marseillaise e De Gaulle

25 de novembro de 2019

Li com muito interesso a carta de Aécio F Lemos publicada 5° feira 21. Quantas recordações dos velhos tempos! Acreditei em De Gaulle, votei nele várias vezes. Quando estava na Argélia no exército francês (obrigado!), em 1960, De Gaulle era Presidente e após hesitar viu que era melhor que a Argélia conquistasse sua independência. Então quatro generais apoiados por todos militares de carreira organizaram um golpe de Estado, querendo tomar o poder. Era sargento, secretário no PC (Posto de Comando) do Regimento, e na nossa farda havia " la Croix de Lorene" (Cruz de Lorena, uma cruz com 2 barras transversais, a de cima menor, distintivo de De Gaulle). No PC acho que fui o único a aparecer um dia com essa cruz na farda. O Capitão de quem era secretário me ordenou tirar essa cruz (ligada à pessoa de De Gaulle). Obedecendo tirei a cruz, e também o distintivo de Sargento. Mostrei assim que não queria participar do golpe que estava se organizando. Após muita conversa do Capitão, recoloquei o distintivo. Logo era indisciplinado, e certamente por causa disso, quando tudo se acalmou, fui transferido, do PC do Coronel, onde trabalhava mais de 8 horas por dia, para um centro de descanso para militares, (onde uns 35 militares cansados da luta, vinham passar uma semana, revesando-se) como sub chefe, onde trabalhava mais ou menos 1 hora por dia, ficando muito da praia.

Os problemas de saúde que atingem todo idoso devem ser considerados quando se elege um Presidente. A última vez que De Gaulle foi eleito, foi um erro, cuja consequência foi quase uma guerra Brasil-França. A Guerra da Lagosta. Havia navios franceses muito bem equipados, pescando lagostas perto das costas brasileiras, tirando o sustento a muitos nordestinos. O solo, segundo a lei do Brasil, debaixo do oceano, até tantas milhas pertence ao Brasil, como a lagostas andam nesse solo, são do Brasil, os pesqueiros franceses estavam errados. Segundo a França, as lagostas nadam, as águas são internacionais, logo… (parece que as lagostas pulam, o que não é previsto nas leis internacionais). De Gaulle esqueceu que era Presidente, em bom General mandou navios de guerra em proteção dos pesqueiros franceses. Felizmente diplomatas franceses e brasileiros conseguiram evitar a guerra!

Pierre Bedouch – Passos/MG 

Protesto

O Ministro da Educação referiu-se a Lula dizendo – Lula, o nove dedos. Não importa a data em que essa imbecilidade foi proferida. Será sempre oportuno rechaçar a ignomínia. É inaceitável que alguém se refira a uma pessoa, qualquer que seja essa pessoa, mencionando um defeito físico.
Quando o autor da chacota é o Ministro da Deseducação, todas as pessoas de caráter, favoráveis a Lula ou contrárias a Lula, não podem omitir o justo protesto. Mesmo que o Ministro esteja empenhado em deseducar o povo, há um limite que não pode ser transposto.

João Baptista Herkenhoff – Vitória/ES