Leitor: Depressão

17 de dezembro de 2019

Ter depressão é horrível. Isso todo mundo já sabe. Mas às vezes as pessoas não sabem como é ser refém dessa doença tão incapacitante.

Depressão não é só tristeza, eu falo com propriedade. O pior da doença é o desânimo. Você não tem vontade de fazer nada. Seja das coisas mais simples até as mais complexas. Você não quer ir trabalhar, mas também você não quer ir naquela festa super legal. Só que você acaba fazendo porque o depressivo sabe que ele tem que fazer. Você vai trabalhar e também vai na festa. Mas é como se você não estivesse, porque nada te dá prazer.

Você sabe que tem uma família maravilhosa, mas o transtorno não deixa você curtir como deveria, porque para o depressivo nada faz sentido. Isso é cruel né? Mas é assim mesmo, você não se importa às vezes com quem você mais ama, mas não quer dizer que você não ama também.

Ah, os amigos se afastam. Ninguém quer ficar ao lado de alguém que fica com cara de morte o tempo todo, que reclama da vida, ou que às vezes mal consegue conversar. Aí vem a solidão.

Ser depressivo é carregar "um elefante". Realmente, não faz sentido. Mas você carrega um fardo que você não escolheu carregar. Mas a culpa não é sua.

Por mais que você pense positivo, o negativo que prevalece. Aí você se sente um peso, se sente inútil, aí vem os pensamentos de morte. Por que viver se está tão difícil?

Aí falta a empatia. Frases como: "Deixa isso de lado", "Isso é falta de Deus!", "Levanta da cama, que é falta de você fazer alguma coisa", não ajudam. Só deixa pior!

Como disse, o depressivo faz tudo, só que não está feliz, confortável. Às vezes ele só quer alguém do seu lado que te dê um abraço e diga que está ali para o que precisar.

Ah, tomar remédios é horrível. Mas às vezes é a única solução. Não há porque ter preconceito com isso.

 

O tratamento é difícil, é longo, precisa de terapia e é muito caro. Super caro!

E assim, vai sobrevivendo a cada dia. É uma luta diária. Quem dera se um dia descobrissem a cura das dores da mente e da alma! ?

Maraísa Aparecida Santos Mariano – Passos/MG 

Fake News

Se a CPI das Fake News estiver interessada em descobrir o papel desse instrumento criminoso de campanha que elegeu Bolsonaro como presidente da República, basta seguir a origem do dinheiro que financiou a campanha de fakes e, mais grave, foi oficializada no Planalto. Esse método criminoso representa o fim da democracia conhecida até aqui. Os EUA também vivem o mesmo dilema com Trump, onde o método para sua eleição foi semelhante. Joice Hasselmann, ex-líder do governo Bolsonaro, tem autoridade irrefutável para denunciar que há aproximadamente 2 milhões de fake news, com robôs e perfis capturados, ao custo de R$ 20 mil cada um. Esse fato relembra a ditadura de 1964, qundo nunca foi revelado de onde provinha o recurso milionário que sustentava o golpe e a repressão, torturas e assassinatos do regime."

Antonio Negrão de Sá – Rio de Janeiro/RJ